Seja Bem Vindo(a)

Seja Bem Vindo(a)

Nunca é tarde demais


Neste blog encontrará matéria relacionada a fenômenos corriqueiros e paranormais, alienígenas, filmes, mapa estelar, músicas, religião, livros, palestras, astrologia, astronomia, ciência e espiritualidade.

Agradeço as pessoas que dê várias partes do planeta visitam meu blog: Brasil - Estados Unidos - Rússia – Bielorrússia - Croácia - Letônia - República Tcheca - Itália - Portugal - Alemanha – Suíça - Áustria - Suécia - Noruega - França - Luxemburgo - Irlanda - Bélgica - Grécia - Dinamarca - Ilhas Faroe - Espanha - México - Reino Unido - Holanda - Nova Zelândia - Austrália - Canadá - Ucrânia - Moldávia - Sérvia - Albânia - Hungria – Turquia - Índia - Romênia - Polônia - Japão – China - Coreia do Sul - Vietnã - Hong Kong - Indonésia - Tailândia - Haiti - Malásia - Filipinas - Argentina - Peru - Chile - Bolívia - Guiana Francesa - Paraguai - Venezuela - Colômbia - Nicarágua - Egito - Emirados Árabe Unidos - Angola - Moçambique - Cabo Verde - Quênia - Argélia.




Aqui poderá fazer sua numerologia gratuita, saberá sobre previsões para o planeta, descobrirá como manter seu computador livre de vírus, poderá calcular distância entre cidades brasileiras, testar a velocidade de conexão, além de aguçar o bom humor com algumas piadas.




Também aprenderá como criar e manter um campo magnético que conduz a saúde física, mental e espiritual.




Agradeço sua visita, deixe seu recado. Abraços, Oswaldo.


domingo, 24 de fevereiro de 2013

LIVRO UM AMOR DO PASSADO - A história do capitão Juno, um cientista russo que perde sua filha e esposa para a morte. Emoção, trama, drama, amor e ódio. Ciência e Espiritualidade, projeção e hipnose são usados pelo capitão que entra na eternidade a procura de sua família.

UM  AMOR  DO  PASSADO




BOOK ONE LOVE THE PAST - The story of Captain Juno, a Russian scientist who loses his wife and daughter to death. Emotion, plot, drama, love and hate. Science and Spirituality, projection and hypnosis are used by the captain who enters eternity looking for his family.

КНИГА ПЕРВАЯ ЛЮБОВЬ прошлое - историю капитана Juno, русский ученый, который теряет свою жену и дочь до смерти. Эмоции, сюжет, драма, любовь и ненависть. Науки и духовности, проектирование и гипноза используются капитана, который входит вечности ищет свою семью.

BOOK ONE LOVE THE PAST - Die Geschichte von Kapitän Juno, ein russischer Wissenschaftler, der seine Frau und Tochter verliert bis zum Tod. Emotion, Handlung, Drama, Liebe und Hass. Wissenschaft und Spiritualität, Projektion und Hypnose werden durch den Kapitän, der Ewigkeit tritt auf der Suche nach seiner Familie verwendet.

LIBRO PRIMERO AMOR DEL PASADO - La historia del Capitán Juno, un científico ruso que pierde a su esposa e hija a la muerte. Emoción, trama, drama, amor y odio. Ciencia y la espiritualidad, la proyección y la hipnosis son utilizados por el capitán que entra en la eternidad buscando a su familia.

LIVRE UN AMOUR DU PASSÉ - L'histoire du capitaine Juno, un scientifique russe qui perd sa femme et sa fille à la mort. Émotion, l'intrigue, le drame, l'amour et la haine. Science et la spiritualité, la projection et l'hypnose sont utilisés par le capitaine qui entre dans l'éternité à la recherche de sa famille.

LIBRO PRIMO AMORE IL PASSATO - La storia del capitano Juno, uno scienziato russo che perde la moglie e la figlia a morte. Emozione, trama, dramma, amore e odio. Scienza e spiritualità, la proiezione e l'ipnosi sono utilizzati dal capitano che entra nell'eternità cerca per la sua famiglia.

キャプテン·ジュノ、死に彼の妻と娘を失い、ロシアの科学者の物語 - BOOK ONEは、過去が大好きです。ふるまい、プロット、ドラマ、愛と憎しみ。科学と精神性、投影と催眠は彼の家族を探して永遠に入る船長によって使用されます。


캡틴 주노, 죽음에 그의 아내와 딸 잃고 러시아 과학자의 이야기 - BOOK ONE과거를 사랑 해요. 감정, 줄거리, 드라마, 사랑 싫어. 과학 영성, 프로젝션 최면그의 가족을 찾고 영원을 입력 선장에 의해 사용됩니다.

BOOK ONE LOVE الماضي - قصة الكابتن جونو، عالم روسي الذي يفقد زوجته وابنته حتى الموت. العاطفة، والمؤامرة، والدراما، والحب والكراهية. وتستخدم العلم والروحانية، والإسقاط والتنويم المغناطيسي من قبل القبطان الذي يدخل الخلود يبحث عن عائلته.







 

 Aqui encontrará aventura, suspense, ação, ficção, realidade, drama, trama, amor e ódio.

A emocionante história de um sonhador que vai do passado ao futuro, da Terra ao Céu, a procura de seu grande amor.

Em meio a alta tecnologia, ciência e espiritualidade, nasce uma história inusitada.












Pertence a Benedito Oswaldo Vettoretti


















Através deste livro espero proporcionar horas agradáveis e possíveis reflexões.

















Jacareí, 20 de Janeiro de 2013
































ÍNDICE


O CEHPAT
11
A chegada de Lara
15
O encontro
17
Recomeçando
22
Lutando por mudanças
25
Novas estratégias
27
Na máquina do tempo
31
Mais um passageiro da MDT-FP001
39
Nova estratégia
43
Há males que vem para o bem
46
A troca de personalidade
52
O inesperado
55
A viagem astral
58
Conhecendo a vida após a morte
63
Hora de ir embora
70
A revelação
72
De volta à eternidade
76
Conhecendo outras colônias
81
Chegando às regiões inferiores
84
Inferno e paraíso
88
Na terra da magia
98
Os últimos dias
102
Ilusória hegemonia
107








































A vida apresenta surpresas que superam até mesmo os limites da imaginação.




CEHPAT


O CEHPAT é o Centro de Estudos de Hipnose, Projeção Astral e Terapia.
Nesse centro trabalham profissionais que estudam o comportamento humano diante de fenômenos naturais ao próprio ser humano.
Juno Besik chega ao CEHPAT, é janeiro de 2004.
Um rapaz de aproximadamente 27 anos, 1.70m, 72 kg, cabelos castanho escuro, pele branca parda, olhos acastanhados e voz grave; descendente do povo russo.
Dirigindo-se a recepção ele diz:
_ Bom dia !
_ Estou aqui para me inscrever no curso de hipnose.
Juno Besik já havia feito alguns cursos de hipnose, conhecia bem o assunto, porem seu objetivo era adquirir mais conhecimento e submeter-se a regressão de memórias.
Como de praxe, foi entrevistado pelos membros do grupo e após avaliações foi aceito na equipe de estudos.
Em junho do mesmo ano, Juno Besik submeteu-se ao transe hipnótico, onde o objetivo era a regressão de memórias.
Antes de iniciar o trabalho, expliquei sobre o equipamento que seria usado:
_Ligaremos você a esta máquina Juno, estes eletrodos serão ligados a sua cabeça, serão eles que captarão as ondas cerebrais e a transportarão para a máquina que decodificará a energia que vem de seu subconsciente, transformando-a em som e imagem.
_Todos somos uma filmadora de som e imagem, então tudo que você viu e ouviu será resgatado de sua memória subconsciente e será gravado na máquina.
_Ao mesmo tempo em que gravamos podemos ver em tempo real, nesta grande tela, sons e imagens, o filme de sua vida.
Juno foi ligado ao aparelho decodificador de ondas cerebrais, onde sua vida anterior foi gravada para posterior estudo.
Essa vida de Juno Besik iniciou-se em 1870, cidade de Troitsky, Russia, próximo à divisa com o Cazaquistão.
No momento em que se iniciou o transe hipnótico, havia oito membros do centro de estudo reunidos, sentados nas cadeiras que estavam à volta da maca onde Juno Besik encontrava-se deitado.
Por coincidência ou não, seu nome na época também era Juno, Juno Alexander.
Confortavelmente assistíamos no telão a vida anterior do Juno Besik se desenrolando:
Regredindo as memórias de Juno Besik, conhecemos Juno Alexander, com aproximadamente 19 anos; sentado num tronco embaixo de uma grande árvore, conversava com Natasha Dasha.
A moça aparentava ter entre 17 e 18 anos, seus cabelos loiros em duas tranças, estavam circundados por um tecido amarrado no alto da cabeça.
Olhos azuis e pele clara, falava compassadamente e mantinha a cabeça baixa.
Não conseguíamos ver a imagem de Juno Alexander, só seria possível caso ele olhasse para um espelho.
Perceptivelmente nítido era o amor que um sentia pelo outro; na conversa dos dois camponeses, Natasha estava preocupada com a doença do Juno Alexander.
O rapaz iria para a trincheira e se despedia da moça, pedia que não se preocupasse, pois voltaria logo.
Regredimos um pouco mais as memórias de Juno Besik e lá estava novamente a Natasha.
Com aproximadamente nove anos, ela brincava com Juno Alexander a beira de um rio.
Os pais eram camponeses vizinhos; as crianças foram criadas juntas e cresceram unidas pelo amor das famílias.
Ainda criança os dois começam o namoro escondido dos pais.
Embora eles sempre escondessem o relacionamento, era impossível não perceber a forte ligação que tinham.
Sempre juntos conversando e rindo nas poucas horas vagas entre um trabalho e outro; ajudavam os pais na lida diária da roça.
Aos domingos seguiam com as famílias até a capela do povoado, onde tinham mais tempo para ficar juntos.
Sonhavam poder casar e criar vários filhos.
No rigoroso inverno russo, quando o trabalho diminuía, Juno Alexander e Natasha jogavam xadrez, era outra forma que encontraram para estarem juntos.
Aos 19 anos Juno Alexander foi chamado pelo exército. Deveria combater protegendo a fronteira contra ataque de mercenários.
Natasha chorava, mas sabia que o amado não tinha escolha.
Despediram-se e Juno Alexander se foi para nunca mais voltar. A morte em combate colocou fim nos sonhos daqueles jovens.
Terminado o trabalho, gravamos e entregamos o filme ao rapaz.
Uma semana após assistir o filme da própria vida, Juno voltou ao centro de estudos.
Normalmente Juno era homem de poucas palavras, poucos sorrisos, preferia ouvir e só opinava quando pedíamos.
Entretanto, após assistir o filme de sua vida, Juno tornou-se ainda mais introspectivo, era visível seu estado de tristeza.
Não pude deixar o fato passar sem pedir que ele comentasse o motivo de aparente tristeza.
Com muito esforço Juno relatou-me particularmente que algo já lhe dizia que a vida anterior tinha lhe reservado trágico fim.
Em muitos momentos perguntei a mim mesmo se o acaso existe, em todas as situações que analisei pude perceber que não, nada é um mero acaso.
A vida atual de Juno foi mais uma oportunidade de observar que para tudo tem um por quê, nada acontece ao acaso.

A  CHEGADA  DE  LARA


Três meses após a regressão do rapaz, conhecemos Lara Misha.
A moça tinha duas particularidades apresentadas por Juno: ela também era filha de russos e pouco falava.
Chegou ao Brasil com doze anos; os pais foram morar na cidade de São Paulo, no bairro da Vila Zelina.
A moça formou-se psicóloga e já trabalhava em São Paulo quando os pais morreram num acidente de carro.
Desgostosa e sem familiares no Brasil, Lara vendeu a casa da família e saiu de São Paulo.
Chegando a nossa cidade, em pouco tempo Lara se estabeleceu e nos procurou para especializar-se em hipnose.
Como Juno, um de seus primeiros pedidos após a integração com a equipe, foi a de fazer sua regressão de memória a vidas passadas.
Após preparada pela equipe, numa calorosa tarde de sexta-feira, Lara estava deitada na maca, ligada ao decodificador de ondas cerebrais.
Logo no inicio da regressão Lara relatou que vivia na idade de 58 anos, estava doente, morava numa cidade russa, exatamente na cidade com o nome de Troitsky, o ano era 1930.
Quieto, observando atentamente o filme, logo percebi pela idade, data e local, que ela havia conhecido Juno Alexander, mas nunca poderia imaginar que ela tivesse sido a amada do rapaz.
Ao perceber a ligação que poderia haver entre eles, resolvemos regredir um pouco mais sua memória, chegando aos seus 17 anos.
Era mesmo Natasha, a amada de Juno Alexander, então foi possível observar no filme, através da visão da Natasha, a aparência física que Juno tinha naquela época.
Juno Besik acompanhava o trabalho e não conseguiu se conter, a emoção foi grande, acabou saindo da sala.
Descobrimos que ela nunca mais teve um amor, dedicou-se a família, cuidou dos pais e dos pais de Juno.
Sofreu a ausência do Juno a cada dia de sua vida, morrendo doente em 1931, aos 59 anos de idade.
Após terminado o trabalho, gravamos e entregamos a cópia para Lara que estava afoita em ver sua vida no filme.
Prevendo que depois de assistir o filme Lara poderia entrar em depressão, adiantei os fatos dizendo que ela acabara de ganhar um presente:
_ Lara, você foi conduzida à nossa cidade e ao nosso meio para continuar vivendo um grande amor do passado, pois seu grande amor russo está hoje entre nós.
_Nossa, que interessante, quem é ele ?
_Que história é essa ?
Nesse instante percebi a grande mudança da moça que pouco falava e não demonstrava emoções.
_Calma Lara, vá para casa, assista calmamente ao filme, depois me procure.


O  ENCONTRO


No dia seguinte, mal o centro abriu e Juno estava me esperando na porta.
_Preciso falar com você, não consegui dormir, me sinto estranho, estou com medo, ansioso, não sei o que pensar, não sei o que fazer para controlar esses sentimentos.
_Calma Juno, sei que tem razão, até mesmo eu não sei se estou preparado para passar pela experiência que você passou, mas vamos conversar, vou ajudá-lo a colocar a casa em ordem.
Além das fortes emoções que assolavam o rapaz, ele estava noivo, seu casamento seria no final do ano, agora não tinha certeza de mais nada.
Fiquei surpreso, não sabia que Juno tinha noiva, percebi que a situação era delicada.
Procurei acalmá-lo, pedi que não se precipitasse nem mesmo nos pensamentos.
_Espere a Lara ver o filme, vamos analisar o comportamento dela, depois sentaremos para conversar, eu, você e ela.
_Talvez ela também precise de ajuda, completei.
Lara sumiu reaparecendo depois de três dias.
Como aconteceu com Juno, a moça estava introvertida, quieta, pensativa.
Logo que a vi me adiantei dizendo:
_Bom dia Lara, estava preocupado com você, desapareceu, nos deixou apreensivos.
_Pois é, estava tentando colocar a cabeça em ordem; agora sei por que nesta vida nunca quis me envolver em romances.
_Bons rapazes se aproximaram de mim, porém algo me dizia para não me envolver, pressentia que poderia sofrer.
_Agora sei de onde vem esse pressentimento.
_Meu subconsciente procurava me afastar de um possível romance, exatamente por ter passado tudo que passei com a separação no passado.
_E como você está ? Perguntei.
_Dentro do possível, estou bem.
_Naquela vida perdi Juno, nesta perdi meus pais...
_Há coisas que são difíceis de entender.
Percebi que Lara não queria expor seus sentimentos, não queria demonstrar fragilidade e tentava manter as aparências. Foi quando sugeri que ela conversasse com Juno.
_Como assim ?
_Conversar com Juno ?
Lara pensou que eu estivesse falando do Juno Alexander, o Juno do seu passado.
Juno Besik e ela não se conheciam.
O rapaz se ausentou durante quatro meses, após sua regressão de memórias, foi para Santa Catarina a trabalho e somente agora regressava.
_Sim Lara, conversar com Juno Besik, membro de nossa equipe.
_Não se lembra de meu comentário ?
_Lhe falei que o destino havia reservado boas surpresas para você.
_Em nossa equipe há alguém com o nome de Juno ?
_Sim.
_Nossa, que coincidência!
_Não é coincidência Lara, é fato; Juno Besik, membro da nossa equipe é o mesmo Juno Alexander, o Juno do seu passado.
Nesse momento Lara emudeceu, ficou pálida.
Segurei-a pelo braço e levei até a cadeira, ela me olhava incessantemente, como alguém que não acredita no que está ouvindo.
_Calma Lara, fique aí sentada, vou pegar um copo d’água para você.
_Juno Besik também sentiu o impacto.
_Ele estava entre nós quando você fez a regressão de memórias, mas saiu logo que o filme começou, perdeu o controle; para não atrapalhar se evadiu da sala tão logo percebeu que sua história também era a dele.
Lara trazia nesta vida alguns traços físicos do passado: pele clara, cabelos loiros e olhos azuis, 1.68 de altura com aproximadamente 62 kg.
_E agora ?
_O que devo fazer? Perguntou-me a moça.
_Fique calma, acho que vocês devem conversar, aproveitem o momento é este.
_Vamos marcar o reencontro entre vocês, precisam conversar.
_Sugiro que assistam juntos aos filmes, saberá tudo que Juno passou quando foi para a guerra e ele verá como foi sua vida sem a presença dele.
_Caso prefiram, poderão assistir aos filmes aqui mesmo no CEHPAT.
_Vou telefonar para ele e vocês conversam.
Assim os dois se reencontraram, conversaram bastante, falaram sobre a experiência e os sentimentos desencadeados depois de reviver o passado.
Acabaram se ajudando, os dois precisavam de apoio e ninguém melhor que eles para se apoiarem.
A chama do antigo amor estava acesa, mas Lara decepcionada ao saber que Juno estava noivo, achou melhor encerrar logo e esquecer o assunto.
Um mês havia passado, Lara demonstrava determinação ao dizer que não queria nada com Juno, seu coração parecia estar petrificado, mas a verdade é que seu subconsciente continuava trabalhando para que ela não voltasse ao sofrimento da vida passada.
Juno deixava claro para mim que não estava disposto a perder a chance de reviver seu amor com Lara.
Passado quarenta e cinco dias de seu encontro com Lara, Juno me procurou e disse que não havia mais nada entre ele e a noiva:
_Foi muito difícil tomar a decisão, mas eu não conseguia ver minha noiva com os mesmos olhos, já não sentia por ela os mesmos sentimentos; sabia que Lara não iria permitir minha aproximação se continuasse noivo.
_Pensava em Lara vinte e quatro horas por dia; também pensava na situação dela: sozinha, sem os pais, sem parentes, sem os amigos, numa cidade que pouco conhecia, eu precisava fazer algo para ajudá-la.
_E sua noiva ?
_Como está ?
_Bem..., ela não entendeu e nem aceitou.
_Ela não acredita que o ser humano já teve outras vidas, duvida da hipnose e de toda essa história.
_Você não a conhecia porque ela nunca quis comparecer as nossas reuniões.
_Sua religião repele tudo que não seja ensinamento bíblico.
 _Essa sempre foi uma grande barreira entre nós, muitas vezes chegamos a discutir, ela não queria minha presença nas reuniões do CEHPAT, dizia que isso era coisa do demônio.
_Quando terminei o noivado e me despedi desejando boa sorte, suas últimas palavras foram:
_ Não lhe disse que aquilo é coisa do demônio ?
_Foi o chifrudo que nos separou, lhe disse que isso iria acabar acontecendo.
_Saí sem lhe responder nada.
_Ela está telefonando todos os dias, até sua mãe ligou em meu telefone...
_Sei que tomei a decisão correta, não tinha mais sossego, minha ex-noiva já reclamava da minha indiferença; se o relacionamento continuasse seria um transtorno para todos.
_A partir de agora o que pretende fazer ? Indaguei.
_Vou procurar a Lara, vou contar que me separei e pretendo ficar com ela.




























RECOMEÇANDO


Confiante Juno foi conversar com Lara, se acertaram e o romance recomeçou.
Uma história interrompida pelo destino retomava seu rumo anterior, mas Emília, ex-noiva de Juno não dava trégua, não se conformava com a situação e jurara não desistir do Juno.
Os telefonemas eram constantes, quando ela não ia até o trabalho do rapaz, ela o esperava na porta de sua casa. Muita discussão, muita gritaria, ofensas, grosserias e ela não desistia.
A situação era extrema, Juno já não sabia o que fazer, Lara procurava manter-se neutra, até o dia em que Emília a agrediu.
A partir daí a história tomou outro rumo: o que todos evitavam, virou caso de polícia.
Emília atacou Lara com uma lâmina de aço ameaçando-a de morte caso continuasse com Juno.
Todos foram envolvidos com a polícia, até mesmo os pais da Emília. Daí para frente a moça foi obrigada a dar sossego ao casal.
Seis meses passaram, Juno e Lara trabalhavam para comprar uma casa; cheio de sonhos, Juno era outro homem, tinha pressa em se casar, agora sua vida era dedicada a seu amor.
Os dois participavam de todas as reuniões no centro de estudos, ajudavam outros que nos procuravam.
Lara fazia bom trabalho, praticava o que aprendera como psicóloga e hipnóloga.
Estávamos com uma ótima equipe, todos empenhados com nosso centro de estudos, até que comecei a perceber Juno com problemas.
_Me diga o que está acontecendo Juno, é a sua ex ?
_Não, Emília há algum tempo não nos perturba; um desses dias encontrei uma amiga dela que afirmou:
 _Emília disse que não desistirá nunca, que vocês dois vão pagar por tudo.
_Mas o problema não é ela, é entre eu e Lara.
_Aparentemente está tudo bem, minha família aprovou nosso relacionamento e todos gostam da Lara, mas ela está muito diferente.
_Mas você diz diferente em relação a quê ?
_Em relação a nossa outra vida; quando era Natasha demonstrava mais carinho, atenção, dedicação, hoje percebo que Lara tem um grande vazio, parece que não senti o mesmo que eu, preciso ajudá-la.
_Acho isso extremamente normal Juno, existem muitas diferenças entre a situação atual e a já vivida.
_Observe que naquela época vocês foram criados juntos, existiu um grande tempo de convívio entre vocês, ela era feliz na totalidade, tinha os pais, os irmãos, gostava da região onde vivia e outros fatores faziam com que ela se sentisse melhor.
_Hoje a situação é totalmente adversa, você deve atentar para esses detalhes; acredito que com o passar do tempo as coisas melhorem.
_É, acho que você tem razão, terei mais paciência.

Juno e Lara casaram-se dois anos após terem se reencontrado, entretanto Juno continua infeliz com a forma de ser da esposa.
Certa vez me contou que Lara continuava vazia, não tinha planos para o futuro, não pensava em ter filhos, seu humor estava muito longe do humor da Natasha, quase não conversava e a cada dia parecia mais introspectiva, mergulhada num mundo distante, onde somente ela fazia parte.
Então sugeri que fossem viajar, fossem até a Rússia, na cidade onde tudo começou: Troitsky.
_Leve-a até lá, o subconsciente dela tem que perceber que tudo acabou, que nem mesmo Troitsky é a mesma, acredito que ela esteja presa a sentimentos do passado.
_Sua mente está atrelada a situações que não existem mais, seu subconsciente precisa tomar consciência dos fatos.











LUTANDO POR MUDANÇAS


Juno acatou a ideia rapidamente, entretanto demorou algum tempo tentando convencer a esposa, então tive que dar o empurrão final convencendo-a a ir e aproveitar para conhecer a família de seus pais.
Programaram férias, guardaram uma quantidade razoável de dinheiro, mesmo porque a família dos pais de Lara morava em Oblast de Vladimir, 200 km de Moscow e 1350 Km de Troitsky. Iriam tomar o avião até Moscow, ficariam alguns dias em Vladimir, depois rumariam para Troitsky, destino final.
Um ano após minha proposta eles partiram para a Rússia.
Passearam pela região junto a família da Lara, tiraram fotos, trocaram receitas entre a cozinha russa e a brasileira, conheceram muita gente e voltaram.
Lara comentou que Troitsky havia mudado muito: do povoado somente a capela ainda era a mesma.
A moça continuou fazendo contato com a família: mandava e recebia email, fotos e conversavam via chat.
Seis meses se passaram, Juno me disse que a moça havia se soltado um pouco mais, o contato com a família estava fazendo bem.
Agora ele pensava em ter filhos, mas Lara continuava irredutível, não queria nem pensar.
_Nossa, quanta diferença entre Lara e Natasha.
_Natasha me falava o tempo todo em ter filhos e Lara é totalmente o contrario. Reclamava Juno.
_Como pode uma pessoa alterar tanto a personalidade, os ideais, os sentimentos ?
_Calma Juno, você disse que ela melhorou, continue com paciência, com o tempo tudo encaixa.
_Sim, acredito nisso, porem o tempo passa muito rápido, daqui a pouco estarei velho demais para cuidar de crianças.
Juno estava desconsolado, ele adorava crianças e queria ter pelo menos três.
Emília de vez em quando se esbarrava com Juno, chegou a propor que se tornassem amantes. Era lamentável o estado da moça: se afastara da igreja e consumia bebida alcoólica em excesso. Estava magra, abatida.
A família fazia de tudo para ajudá-la, porem em vão; era obsecada por Juno, seu egocentrismo estava ferido e não admitia derrotas.
As poucas vezes que a vi tentei ajudar; ficou apenas na tentativa porque ela mal podia olhar em meu rosto.
Sabendo que Juno era meu amigo, também atribuía a mim uma parcela de culpa pelo fim de seu relacionamento com o rapaz.








NOVAS  ESTRATÉGIAS


Numa tarde gostosa de verão, Juno me ligou, pediu que fosse até a casa dele.
_Venha pra cá, preciso falar com você; ainda tenho duas garrafas de stolichnaya, a melhor vodka russa. Vamos tomar algumas puras com gelo.
Juno havia se formado engenheiro espacial e trabalhava no INPE – São José dos Campos.
Cheio de ideias me perguntou se eu já tinha ouvido falar em buraco de minhoca.
Achei engraçado e respondi que sobre minhocas eu só sabia daquelas usadas para pescar.
_Não brinque, estou falando sério!
_Sim, certa vez li um artigo ligado a teorias espaciais que descrevia o assunto, respondi.
_Pois é, quero lhe falar sobre ideias que me passam a cabeça.
_Essa teoria é forte e vou explicar em detalhes:
_Sabendo que é impossível para qualquer matéria deslocar-se a velocidade da luz sem que haja grandes modificações, cientistas do mundo todo tem como teoria o buraco de minhoca ou buraco de verme.
_A teoria diz que os buracos de minhoca formam atalhos entre espaço e tempo, o que se torna fundamental para percorrer distancia astronômica em fração de segundos.
_Para deslocar-se através do espaço, de galáxia em galáxia, por meio convencional, mesmo que fosse na velocidade da luz, percorreria uma parte insignificante do universo, mesmo que voando durante toda sua vida, minuto a minuto sem nunca parar.
_Daí vem a teoria de que extraterrestres criam e usam os buracos de minhoca para se deslocar entre as galáxias.
_O termo buraco de verme foi criado pelo físico teórico estadunidense John Wheeler em 1957.
_Todavia, a ideia dos buracos de verme já havia sido proposta em 1921 pelo matemático alemão Hermann Weyl, em conexão com sua análise da massa em termos da energia do campo eletromagnético.
_Na verdade concluo que o buraco de verme não é um atalho que manipula o espaço e sim o tempo.
_Você se desloca no tempo e não na distancia.
_Ele é a chave para você entrar numa quinta dimensão e manipular o tempo.
_Esta bem Juno, a teoria é interessante, mas onde você quer chegar ?
_Caso essa teoria seja mais que apenas uma teoria, então através do buraco de minhoca poderemos manipular o tempo. Se posso entrar numa nave e me deslocar até o futuro, criando um atalho no tempo, então também posso regredir no tempo.
_E então..., perguntei.
_Então, caso eu consiga manipular o tempo, voltarei a Troitsky em qualquer época antes de minha morte.
_Essa ideias fogem ao raciocínio e meta do nosso centro de estudos, mas nada impedi que você trabalhe seu ideal e desenvolva nova tecnologia.
_No norte do Japão há um cientista chamado Kurusawa; há anos ele estuda o assunto.
_Já estou fazendo contato com ele para saber até onde chegou.
_Na região onde mora, é tido como louco; é um senhor aposentado que não tem respaldo do governo para desenvolver o trabalho. Penso em ajudá-lo.
A principio achei que aquilo era uma fuga que Juno encontrou para contornar a grande frustração que vivia.
Entretanto, com o passar do tempo percebi que Juno realmente levava a sério a ideia. Recebia grande apoio dos profissionais onde trabalhava, pois a equipe também acreditava na teoria.
Após muitos contatos com o Sr. Kurusawa, financiado pelo governo brasileiro, ele e um interprete voaram para o Japão.
 Passados 15 dias estavam todos de volta e traziam o japonês.
Dentro do INPE o japonês era o mais novo integrante da equipe.
Um ano e meio havia passado, muitas dificuldades estavam sendo removidas, Juno sempre me contava sobre o desenvolvimento do trabalho; agora eram raras as vezes que ele comparecia ao centro de estudos.
Lara já reclamava a ausência do marido que muitas vezes chegava em casa após a meia noite.
A equipe estava próxima de conseguir iniciar testes, Juno estava impaciente, demonstrava estar trabalhando contra o tempo, até que um dia chegou e me disse:
_Estou indo para a China.
_China ?
_Vai trazer mais um membro para a equipe ? perguntei.
_Sim, vou tentar.
_Fiquei sabendo do Sr. Liu, cientista e pesquisador que reside no norte da China.
_Ele trabalha em projeto parecido, não exatamente com o mesmo projeto, mas será muito útil para o desenvolvimento do nosso.
Juno voou com um interprete e na China permaneceu por 20 dias; não poderia trazer o Sr. Liu, mas negociou a compra de determinado aparelho que o chinês havia desenvolvido.
Era tudo que o nosso engenheiro precisava, ele estava vibrando, sabia que algo estava para acontecer, até que passado oito meses ele anunciou:
_Agora vamos começar os testes, conseguimos construir a MDT-FP001. Será usada para deslocamento no espaço e tempo, poderemos passar de uma galáxia a outra num piscar de olhos.
_Mas eu particularmente, como lhe falei, continuo outros testes; quero usá-la para voltar no tempo.
No dia seguinte a equipe foi para a Barreira do Inferno, em Parnamirim - Rio Grande do Norte.
Colocaram a máquina no espaço alcançando o objetivo, a máquina entrou na galáxia de Andrômeda, filmou, fotografou e voltou em questão de minutos.
A comemoração foi imensa, Juno foi promovido gerente geral do departamento de engenharia espacial.

NA  MÁQUINA  DO  TEMPO


O casal estava feliz, Lara estava orgulhosa do marido, mudaram-se para uma ampla chácara, desfrutando de todo conforto que o dinheiro pode comprar, mas o problema do Juno não era material: estava obcecado pela ideia de resgatar a antiga companheira Natasha.
Mais um ano de testes e Juno concluiu o trabalho, agora a máquina estava adaptada para também regredir no tempo.
A máquina foi programada para voltar ao ano de 1889, no mês de janeiro, na região de Troitsky, Rússia.
A missão seria levar um animal, filmar e fotografar o ambiente. Esse seria o primeiro teste de regressão no tempo da MDT-FP001.
Novamente a equipe teve êxito: o animal voltou intacto e as fotos vieram como Juno havia visto quando fez sua regressão de memórias. Fotos do passado.
Não faltava mais nada para Juno atingir seu objetivo que até agora era mantido em suspense. Não sabíamos exatamente o que ele pretendia.
Então, numa tarde de segunda-feira, o nosso ilustre engenheiro foi até o centro de estudos e nos convidou à ir até o INPE, onde testemunharíamos uma grande façanha.
Novamente o suspense estava no ar.
Eu, Lara e os 14 membros principais do centro de estudos estávamos sendo convidados a estar diante da máquina na próxima sexta-feira.
Nem mesmo Lara sabia exatamente quais eram as pretensões do marido.
Chegamos no INPE as 8:00 horas, seguimos direto ao angar onde a equipe criadora da máquina nos aguardava.
Para aumentar o suspense, Juno estava vestido como camponês, exatamente como Juno Alexander se vestia.
Quando o viu Lara emudeceu.
Quieta tentava descobrir o que ele pretendia; até que falou:
_Juno, você não está pensando em entrar na máquina, está ?
_Sim, voltarei no tempo, exatamente na época e local onde vivemos. Irei conversar com você.
_Mas isso é loucura, replicou Lara.
_Não, não é, estamos seguros de que dará certo, fizemos todos os testes necessários. Respondeu Juno.
Sentado ao lado da máquina, tranquilamente, com olhar confiante, estava o Sr. Kurusawa.
A máquina foi ligada, Juno beijou a esposa e partiu em busca de seu sonho.
Em uma grande tela observamos quando a MDT-FP001 pouso no solo russo.
Quatro filmadoras, colocadas no alto da máquina, mandavam as imagens que agora víamos na tela.
Silencio absoluto, o gerente geral do INPE estava sentado a meu lado. A equipe estava tensa.
A porta abriu e Juno desceu, a visão era inacreditável, um homem havia voltado no passado e as imagens chegavam até nós em tempo real.
A máquina parou a uma boa distância da casa do Juno Alexander, seu objetivo era o de não assustar ninguém.
Após alguns minutos de caminhada, não mais vimos o Juno Besik.
As horas passavam, começamos a ficar inquietos, um lanche nos foi servido; ao meio dia fomos chamados para o almoço, mas ninguém queria sair da frente da tela, então funcionários improvisaram rapidamente e o almoço foi servido ali mesmo.
Atentos, percebemos que começava a escurecer.
Lara estava impaciente, não tirava o olho da tela; ao mesmo tempo em que observava o local, relatava lembranças que aos poucos chegavam à mente.
Escureceu e Juno não voltava; já havia duas horas de escuridão. Lara pediu calmante, estava transtornada.
A equipe não escondia a impaciência. O diretor geral chamou a equipe em particular, conversaram durante 30 minutos e voltaram.
A alegria tinha dado lugar à apreensão, reinava silencio total quando vimos algo brilhante que se aproximava.
Víamos a silueta de duas pessoas que se aproximavam. Era Juno e trazia uma mulher com ele.
Entraram na máquina e em fração de segundos estavam a nossa frente.
Nova emoção inundou a todos, Juno trazia Natasha.
A moça demonstrou medo e espanto.
Olhava para nós como se fossemos alienígenas.
Logo foi servido lasanha e frutas para os recém-chegados.
A equipe estava atônita, também olhavam para ela como se olhassem para um ser de outro mundo. Comentavam a grande proeza: trazer uma pessoa do passado ao presente.
Analisando pelo ponto de vista espiritual, estávamos diante de algo único, estava havendo um desdobramento espiritual.
Lara e Natasha, a mesma pessoa, porem ocupando corpos distintos.
Indagado por Lara, Juno explicou o motivo da demora:
_Encontrei-me com Natasha às escondidas, a convenci que deveria me acompanhar a uma viagem ao futuro, mas ninguém poderia saber.
_Então fui obrigado a esperar todos deitarem para retirar a moça. Devo levá-la de volta antes que a família acorde.
Então Lara perguntou:
_Mas qual seu objetivo em trazer Natasha até aqui ?
E Juno respondeu:
_Sei que todas as experiências da Natasha ficarão registradas no subconsciente. No passado o subconsciente é da Natasha, mas no presente é seu Lara, então quero que Natasha registre esses fatos para que você tenha a história em seu subconsciente.
_Não sei se podemos alterar os fatos da vida de Natacha e Juno Alexander, mas sei que tudo que Natasha está vivendo, está sendo gravado em sua mente, então, consequentemente, mesmo que não possamos alterar os fatos que ainda ocorrerão na vida da Natasha, poderemos alterar sua maneira de pensar e sentir. Assim Lara, suas características atuais poderão alterar.
_Concluindo, alterando a mente da Natasha estarei automaticamente alterando a sua mente.
Por falarem a língua russa, somente Juno e Lara entendiam o que Natasha dizia. Era interessante observar as duas, frente a frente, passado e futuro, as duas se observando, conversando, se tocando, demonstrando sentimentos de amor. Ambas tinham o mesmo tom de voz.
Apesar de toda situação, Natasha se mostrava mais desinibida, mais alegre que Lara, pude perceber que Juno tinha razão de querer de volta a sua Natasha.
Até a diferença de humor entre elas era perceptível; Natasha falava mais e ria mais. Observei esse detalhe quando os três começaram a rir.
_De que estão rindo Juno ? Perguntei.
_Estamos rindo porque Natasha falou para Lara que o Juno dela é mais bonito.
_Eu respondi que ele só é mais bonito porque tem 19 anos.
Jantamos e continuamos a conversa, ninguém queria ir embora. Juno resumiu para Natasha todo o motivo do evento, porém não comentou sobre a morte de Juno Alexander e nem sobre a vida difícil que teria.
Já era 22:00 horas quando Juno resolveu que deveria levar Natasha de volta ao passado.
Explicando que Natasha deveria preparar Juno Alexander para a mesma viagem, Juno Besik a entregou seu relógio.
O objeto deveria servir como prova do que Natasha iria relatar ao rapaz.
Lara abriu a bolsa, retirou uma grossa corrente de ouro, abriu a mão da Natasha e disse:
_Guarde com carinho.
Natasha se despediu e junto com Juno voltou para o passado.
Marquei uma reunião com o grupo do CEHPAT para estudarmos o fenômeno que havíamos presenciado.
Agora tínhamos mais um membro no centro, o gerente geral do INPE.
Chegamos à conclusão de que presente, passado e futuro não estão ligados ao fator época e sim ao fator tempo, que até então o homem não conseguia manipular.
Outro fato destacado foi o do desdobramento espiritual: o mesmo espírito vivendo em corpos distintos e época diferente.
Porém ficou uma questão no ar: poderíamos alterar algo que ficou no passado ?
Essa questão foi levantada por Juno, que já pensava em alterar o destino do Juno Alexander.
Resolvemos que deveríamos começar a estudar os fatos.
Juno relatou que sentiu uma grande mudança na Lara:
_Depois do contato direto com Natasha, Lara esta mais extrovertida.
Mas será que algo havia mudado nas memórias do subconsciente da Lara ?
Será que submetida à nova regressão de memória, poderíamos observar os fatos que acabaram de ocorrer ?
Era um grande ponto de interrogação, nossa equipe nunca tinha tido fatos como esse; acreditamos serem únicos em toda a história da humanidade.
Uma reunião foi marcada, Lara iria se submeter à nova regressão de memórias.
A experiência aconteceu uma semana após a viagem no tempo.
Lara foi atrelada ao decodificador de ondas cerebrais, as memórias do subconsciente foram voltadas na data em que Natasha fez a viagem ao futuro.
Então tivemos as imagens do momento em que Juno a convencia sobre a viagem para o futuro.
Pudemos ver nossa reunião no INPE através dos olhos da Natasha, vimos e ouvimos.
A transferência de memórias do subconsciente da Natasha para Lara foi automática; enxergávamos Lara sentada à frente da Natasha. Víamos todos que Natasha viu, só não a vimos porque era ela que servia como filmadora. Juno tinha razão, tudo já estava registrado no subconsciente da Lara.
O tempo passou.
Encontrei Emília sentada na calçada, no centro da cidade; muito magra, estava suja e alcoolizada.
Me bateu uma grande tristeza, as coisas poderiam ser diferente se ela não fosse tão teimosa e imatura.
Não aceitava ajuda e não se conformava com o destino.
Agora o Sr. Kurusawa morava dentro da chácara do Juno e integrara-se a colônia japonesa local.
Não participava ativamente das nossas reuniões porque não entendia nossa língua, mas às vezes ia até nós junto com Lara.
Em brincadeira, Juno disse que iria arrumar uma esposa para ele.
_Acho ótima ideia Juno, traga uma legítima, direto do Japão. Repliquei.
Juno tinha construído um bangalô dentro da chácara para o Sr. Kurusawa morar e ter mais privacidade.















MAIS  UM  PASSAGEIRO  DA  MDT-FP001


Agora Juno Besik queria saber se poderia alterar a história do Juno Alexander.
Pretendia resgatá-lo no momento em que sairia para a guerra.
Na data correta Juno Besik entrou na máquina indo a procura dele mesmo, num passado distante.
Novamente a mesma equipe acompanhou o desenrolar da história.
No momento exato, Juno Besik pousou a aeronave no caminho que Juno Alexander faria ao apresentar-se para o governo russo.
Aguardou alguns momentos e logo o rapaz surgiu.
Juno Alexander, através da Natasha, sabia que seria o próximo a entrar na máquina.
O rapaz demonstrava receio, mas após breve conversa entrou na aeronave, viajando para o futuro.
Ao ver o rapaz descendo da aeronave, Lara ficou emocionada, lembrou-se do filme da sua vida.
Juno Besik apresentou todos ao rapaz e falou sobre Lara.
Saindo do INPE, fomos direto ao CEHPAT.
Juno explicou que a ideia agora era manter Juno entre nós até que a guerra acabasse. Depois levaria o rapaz.
Dentro do possível explicamos para Juno Alexander que ele não poderia voltar, mas o rapaz fez uma colocação muito pertinente:
_Se fizerem isso, futuramente serei caçado e morto como desertor.
Juno Alexander tinha razão, então ficou resolvido que os dois voltariam no passado e o rapaz deveria encontrar Natacha. Ela seria orientada a conversar com os pais do Juno.
Caso agentes do governo viessem procurar Juno, eles deveriam dizer que o rapaz foi morto por lobos.
Natasha também deveria relatar que o rapaz estava bem, que teria ido para muito longe, teria ido para o norte da Rússia e voltaria quando a guerra acabasse.
Então nasceu nova discussão entre nosso grupo: até onde poderíamos alterar o passado ou mesmo o destino.
A ideia do Juno Besik era a de facilitar as coisas e evitar a morte do Juno Alexander, para que Natasha não tivesse uma vida infeliz, para que suas características emocionais não fossem alteradas.
Assim Lara continuaria com as características da Natasha que ele havia conhecido, e não da Natasha amarga, transformada pela tristeza e sofrimento.
Juno Alexander estava maravilhado com a cidade grande, com os veículos, tecnologia, alimentação, vestuário e tudo mais.
Queria conhecer os instrumentos musicas, a nossa dança, nossa música. Já estava até falando palavras do nosso português. A televisão e os DVDs foram os que mais lhe chamaram a atenção. Refrigerante ele tomava a todo o momento, só reclamava do clima quente.
Um mês passou, então Juno Besik resolveu voltar com Juno Alexander até o passado, os dois queriam saber sobre a situação local.
Na aeronave programaram a data para 28 de dezembro de 1889.
Chegaram durante a noite, Juno Besik ficou aguardando enquanto Juno Alexander foi procurar a amada.
Alguns minutos passaram, até que Juno Alexander chegou com Natasha.
A moça estava contente em ver o amado, entretanto as notícias não eram boas.
Ela contou que em fevereiro, agentes do governo chegaram à aldeia procurando Juno, fizeram como foi combinado, contaram que o rapaz havia sido comido por lobos, mas foi tudo em vão.
Torturaram o pai do Juno para que contasse a verdade, como ele sempre repetia a mesma coisa, resolveram levar o velho para a guerra, substituindo Juno.
No final de abril trouxeram o corpo. O pai do Juno estava morto.
A mãe do Juno chorou dia e noite até adoecer, agora debilitada, estava na cama, a febre não cessava, alimento não parava no organismo; a família passava fome.
A situação só não era pior porque os pais da Natasha estavam ajudando.
Juno Alexander estava transtornado, pediu ao Juno Besik que desfizesse o que havia feito.
_Está bem, respondeu Besik.
_Entre na aeronave.
Besik programou a máquina para voltar ao dia que resgatou Alexander, voltaram no tempo e lá o deixou a caminho da guerra.
Juno Besik estava desolado, se afastou do grupo por várias semanas.
Lara nos disse que Juno pouco falava, chegava do trabalho e isolava-se no escritório, por horas ele ficava olhando para o nada. Somente pensava, queria encontrar uma saída.
Sua esposa apresentou aparente melhora, mas filhos ela não queria nem pensar.
Num fim de semana fui até a chácara do casal e chamei Juno em particular.
Disse-lhe para esquecer a ideia, disse-lhe que nossa vida é traçada por Deus e tudo tem um por quê.
_Se o seu problema é ter filhos, peça a Lara que faça um tratamento terapêutico, ou mesmo usando a hipnose, use os meios normais, faça uma parte e deixe a outra para Deus. Caso Ele queira que tenha filhos, terá, acredite e acalme seu coração.
_Sim, concordo com você, mas o tempo passa, daqui a pouco eu é que não vou querer filhos.
_Também não posso desistir perante o primeiro obstáculo, preciso ajudar Alexander e Natasha.
Besik já tinha outro plano.
Me levou para dentro de casa, abriu o fundo falso de um baú e retirou duas barras de ouro.
_Agora só preciso de mais duas, daqui a um mês terei o que falta.
_E qual é o plano agora ?
                    




























                     NOVA ESTRATÉGIA


_Voltarei no passado, antes de me chamarem para a guerra.
_Darei duas barras de ouro para cada família e pedirei a eles que saiam da região, que vão morar bem longe, que vendam as terras e tudo que tem.
_Com o dinheiro das propriedades e o ouro, poderão ir para bem longe, Juno ficará fora da guerra.
_Será que vai funcionar ? Perguntei.
_Não sei, mas preciso tentar.
Novamente Besik voltou no tempo, época em que Alexander tinha dezessete anos.
Chegou como camponês; escurecia e Alexander estava sozinho na lavoura; chamou o rapaz, lhe deu as quatro barras de ouro, o instruiu para que convencesse as famílias e foi embora.
No dia seguinte Juno me procurou dizendo que Lara havia acordado em crise nervosa.
_Lara está transtornada, acordou com falta de ar, fomos a clinica médica, segundo o médico ela não tem nada, o problema é emocional.
_Receitou calmante e nos mandou embora.
_Acho que algo deu errado em meus planos.
_Quero lhe pedir um favor, me coloque em transe hipnótico e descubra o que houve.
No mesmo dia atrelei o decodificador no Juno, o coloquei em transe hipnótico, fiz meu trabalho.
Realmente tudo deu errado nos planos de Juno Besik:
Como ele queria, as famílias venderam as propriedades, arrumaram-se em caravana e sairão em viagem.
Quando estavam perto do destino, foram saqueados.
Roubaram todo dinheiro e o ouro das famílias.
Para sobreviver foram trabalhar como colonos de uma fazenda.
Passaram fome e muita humilhação. Trabalhavam 16 horas diárias e muitas vezes não recebiam.
Alexander ficou livre de ir para a guerra, porem morreu confundido com ladrão.
Não foi preciso fazer regressão de memórias com Lara para saber como foi sua vida, mas já entendíamos o motivo de seu descontrole emocional.
Novamente Juno Besik teria que desfazer o mal feito.
Voltou no tempo, pegou as barras de ouro e mandou que o rapaz esquecesse o que havia acontecido.
Percebendo a piora da situação a cada vez que tentava acertar, Besik desistiu.
Insisti que ele tratasse Lara pelos meios convencionais, tentei fazer com que percebesse que ela estava bem, que se conformasse com a situação dela não querer ter filhos.
_Perceba Juno que nem todo problema está no passado, parte está lá e outra aqui. Lara sofreu muito com a morte dos pais, ficou desamparada, insegura, nem mesmo tinha com quem dividir sua dor.
_É verdade, você tem razão, vou trabalhar a vida da Lara, com certeza haverá uma grande melhora.
Novamente Juno achava que poderia mudar os fatos, agora queria evitar a morte dos pais da esposa.
Conversou com Lara e a convenceu que poderia evitar o acidente.
Lara aceitou a ideia do marido e Juno voltou no tempo.
Na tarde anterior ao acidente, Juno entrou na garagem, arrombou o carro e causou um curto circuito impossibilitando que o veículo saísse.
Novamente percebemos que algo teria dado errado; Lara era o termômetro das experiências do marido, estava ainda pior, mergulhou nos calmantes.


















  MALES  QUE  VEM  PARA  O  BEM


_Preciso de você novamente, Lara está mal, algo deu errado, preciso saber o que mudou na história.
_Está bem Juno, vamos de volta à hipnose.
Coloquei-o em transe e dei a ordem:
_Volte ao momento em que conheceu Lara, relate o que sabe sobre ela.
_A conheci quando veio à casa de meus pais pedindo emprego como doméstica.
_Mas ela não é psicóloga ? Perguntei.
_Sim, mas não consegue trabalho.
_E os pais dela ?
_Morreram com leucemia, câncer no sangue.
Novamente Juno havia complicado a situação.
Evitou a morte do casal no acidente, não sabia que os dois estavam em caso avançado de câncer.
Gastaram o que tinham no tratamento da doença, quando o dinheiro acabou, Lara vendeu a casa para continuar o tratamento, foram morar em casa alugada, o dinheiro da venda da casa acabou, pouco tempo depois o casal morreu.
Lara não podia sair para procurar emprego, cuidava o tempo todo dos pais. Acompanhou a evolução da doença minuto a minuto, o longo sofrimento do casal foi traumático para a moça que sofria junto, assim foi até o último dia.
Lara não teve dinheiro nem mesmo para fazer o enterro.
Logo após a morte dos pais Lara veio para nossa cidade através de um anúncio de emprego, mas não deu certo. Agora ela não tinha dinheiro nem mesmo para voltar à São Paulo.
Dormiu na rua por duas noites, passava fome quando bateu na casa dos pais do Juno.
Pediu emprego para trabalhar como doméstica e sair da rua.
No intervalo de tempo entre a saída de São Paulo e procura de emprego, a casa foi arrombada, tudo que Lara tinha foi roubado, deixaram somente paredes.
Juno gostou da moça, mandou que ela fosse dormir no quarto dele, ele passou a dormir na sala.
A história havia tomado rumo bem pior.
O nosso teimoso engenheiro teria que desfazer tudo.
Voltou no tempo na mesma data que causara dano no veículo, bateu na porta, Lara saiu para atender, então Juno entregou-lhe razoável quantia em dinheiro, dizendo que seu futuro marido havia mandado entregar.
_Não estou entendendo, quem é você ?
_Sou seu futuro marido, logo nos encontraremos e cuidarei de você.
_Ore bastante, fale com Deus, aceite tudo que acontecer. Deus sabe o que faz e está em sua vida.
_Esta noite, se sua intenção é a de sair, não saia, fique com seus pais, converse bastante com eles, pergunte sobre o passado deles, da família, do que gostavam de fazer quando estavam na Rússia, fotografe o casal, filme, fique o máximo do tempo que puder ao lado deles, nunca sabemos o que acontecerá no dia de amanhã, concorda comigo ?
_Mas quem é você ?
_Como sabe que somos russos ?
_Meu nome é Juno, Juno Besik. Logo nos veremos, guarde bem esse dinheiro, precisará dele num futuro próximo.
Juno saiu em direção à máquina que estava sobre um terreno próximo.
_Volte Juno, quero conhecê-lo melhor.
_Não Lara, não quero mudar a história.
_Como sabe que me chamo Lara ?
_Um dia lhe conto, fique com Deus, estou lhe esperando.
_Esperando onde ?
_Fique tranquila, me encontrará.
Juno entendeu que quando Deus permitiu o acidente dos pais da moça, havia evitado o sofrimento do casal e da própria Lara.
Dias depois Juno me ligou:
_Cara! Impressionante... , como Lara mudou, está bem melhor.
_Os fatos realmente mudaram, até mesmo nosso primeiro encontro foi diferente.
_Tenho gravado em áudio, relatado por mim mesmo, como foi nosso primeiro encontro e esse encontro não existe mais, deu lugar a outro encontro, outra situação.
_Agora a história é diferente, me recordo de outra situação que não é a mesma que relatei no áudio.
_Nesse segundo primeiro encontro, quando você nos apresentou, Lara me olhou e disse:
_Você está incrivelmente mais jovem, o que fez ?
_Plástica ?
 _Eu o conheço e estava lhe procurando.
_Se lembra de mim ?
_Você é meu futuro marido, acertei ?
Eu sorri sem saber o que dizer, falei que sim.
Lara estava eufórica, não parava de falar:
_Um dia após sua aparição em minha casa, meu pais morreram, eles saiam de casa para fazer tratamento do câncer quando o carro foi fechado por um caminhão, bateram num poste.
_Adorava meus pais, perdi o chão, não sabia o que fazer, a casa ficou insuportavelmente vazia, não conseguia permanecer sozinha no ambiente.
_Então me lembrei de você, lembrei-me de tudo que falou, o dinheiro que me deu ainda estava em minha bolsa, guardava para ajudar no tratamento da doença dos meus pais.
_Pensei em Deus e acreditei que você foi o anjo que Ele colocou em minha vida.
_Pensando em suas palavras e acreditando na promessa de que você seria meu marido, resolvi procurá-lo.
_Apesar de abatida sabia que havia alguém me esperando, isso fez a grande diferença naquele terrível momento de minha vida.
_É, foi isso mesmo. Comentei.
_Ainda bem que você gravou o áudio do primeiro encontro anterior, pois você mudou novamente os fatos.
_Já não me lembro de como havia sido o encontro anterior de vocês. Lembro-me apenas do que você acabou de relatar.
_Depois quero ver a gravação que fez em áudio do primeiro encontro e comparamos com esse que agora temos em mente.
 Achei o fato interessante, novo desdobramento espiritual havia acontecido:
Você que está lendo este livro, acompanhando esta história, consegue perceber a importância científica desse fato ?
No mesmo instante que Juno jovem estava em algum lugar de nossa cidade, Juno engenheiro estava em São Paulo conversando com Lara ainda jovem.
Quando Juno voltou no tempo para levar o dinheiro, já era um homem maduro, foi esse homem que Lara viu.
Entretanto naquela época Juno ainda cursava a faculdade, era um jovem no último ano de engenharia.
As memórias do Juno jovem não guardaram o encontro com Lara, porque não foi ele que esteve lá e sim o Juno engenheiro.
Lara se lembrou do Juno maduro na porta de sua casa quando se deparou com o Juno jovem, mas o Juno jovem não sabia de nada, não se lembrava de nada.
Juno provocou toda a situação e depois não se lembrava de nada.
Toda equipe estava contente com a mudança radical da Lara, só não falava em ter filhos, isso era um pesadelo para Besik.
Juno também era compositor e tecladista, não tinha muito tempo para praticar, somente em algumas noites que chegava mais cedo do trabalho ou nos finais de semana.
Mas agora era um momento especial, então o engenheiro sentou-se ao teclado e compôs uma música para agradecer a Jesus o que havia acontecido em sua vida. A música ele dedicou a esposa dizendo que aquela seria a música da vida dos dois. Deu à canção o nome de Balada Para Uma Estrela Chamada Jesus.

















A  TROCA  DE   PERSONALIDADE


O tempo passou, um dia Juno me procurou perguntando se eu tinha alguma ideia para fazer com que Lara tivesse a mesma vontade que Natasha tinha de ser mãe.
_Tenho sim.
_Há tempos, quando você andava desvairado procurando solução, reuni nossa equipe para discutirmos o caso.
_Na época foi cogitada a possibilidade da transferência parcial da personalidade da Natasha para Lara.
_Como faríamos isso ?
_É simples:
_Colocamos Lara em transe hipnótico; usando a regressão de memórias trazemos por minutos ou no máximo uma hora, a personalidade da Natasha.
_Então naquele momento, se alguém lhe perguntar seu nome ela dirá: me chamo Natasha.
_Reviveremos a mente da Natasha no consciente da Lara.
_Ela andará, falará, pensará e terá atitudes da Natasha, nesse breve tempo de transe hipnótico ela pensará que é Natasha porque estará revivendo a personalidade da Natasha.
_Assim automaticamente ela estará transferindo sua personalidade para o consciente da Lara.
_Está bem, se Lara permitir, assim faremos. Respondeu Juno.
Com a permissão da Lara, iniciamos o trabalho.
Reunimos a equipe, a colocamos em transe hipnótico, mas não a atrelamos ao decodificador de ondas cerebrais, nosso objetivo era outro, não queríamos estudar a vida anterior da Lara.
Regredimos a memória da Lara para época em que era Natasha e tinha 18 anos.
Nessa época Lara ou Natasha, era uma sonhadora, esperava Juno voltar da guerra, queria casar-se e ter um monte de filhos.
Ainda em transe hipnótico dei-lhe a ordem:
_Agora vou contar até três e você vai abrir os olhos, se levantar, vai observar tudo, o ambiente, as pessoas, o tempo, o clima e tudo mais, saberá que está viajando no tempo e não sentirá medo, sentirá todas as emoções, menos o medo.
_Um, dois, três, pode abrir os olhos e se levantar.
Orientamos Juno a dar-lhe toda atenção e falar sobre os sonhos da moça.
Passado trinta minutos de transe terminamos a sessão.
Juno foi orientado a repetir o episódio todos os dias em sua casa. Acreditávamos que o trabalho repetitivo influenciaria na personalidade da Lara.
Com a continuação do trabalho, coisas interessantes continuaram acontecendo:
Tínhamos razão em relação a possível transformação da Lara, já havia passado seis meses de tratamento, ela estava mais alegre, comunicativa, risonha e já falava na possibilidade de ter um casal de filhos.
Ao mesmo tempo ocorria um fenômeno que não esperávamos:
Depois de quatro meses de tratamento, Natasha não mais estranhava o ambiente, as pessoas e a situação.
Também passou a enxergar Juno Besik como Juno Alexander. Andavam de mãos dadas e se beijavam como no passado.
Juno que sempre foi bom observador relatou os fatos em uma das reuniões na sede do CEHPAT.
Obviamente sempre tem alguém com humor sagaz, então comentaram:
_O que está acontecendo em sua vida é bigamia, você pode acabar sendo preso Juno, ah, ah.
Mas a verdade é que Juno tinha uma esposa que trocava de personalidade, ora Natasha, ora Lara.
A vida continuava porem nem tudo eram boas notícias. Ficamos sabendo da morte do Sr. Liu, o chinês que forneceu o equipamento essencial para a MDT-FP001.
Também soubemos que Emília estava usando drogas pesadas; seu envolvimento com traficantes e bandidos fazia dela uma pessoa perigosa.






O  INESPERADO


Nosso engenheiro cientista espacial estava radiante com a mudança da esposa.
Felizes mais do que nunca, Juno e Lara agora faziam planos para terem filhos.
Ela estava bem, nos ajudava muito no CEHPAT, nunca deixou de dar atenção aos que nos procuravam; sempre disposta, sempre sorrindo, solucionando problemas e participando dos estudos.
As experiências que envolveram Lara e Juno muito nos enriqueceram, abriu portas para novos estudos e entendimentos.
Nunca ouvimos Lara dizer: não posso, não tem jeito, não dá, por pior que fosse o caso ela lutava até atingir o objetivo.
Logo depois do tratamento Lara descobriu que estava grávida, nos deu a noticia com grande alegria:
_É o que Juno sempre quis, agora também quero.
O marido não cabia em si de tanta alegria. Preparou uma festa na chácara com serviço de Buffet, cantores e músicos. Foram dois dias de festas, Juno abriu a comemoração tocando a música Balada Para Uma Estrela Chamada Jesus.
Ele continuava trabalhando em pesquisas avançadas, estava contente com o trabalho e com a equipe.
Construíam um centro de lançamento próximo ao INPE, em breve não mais precisariam da Barreira do Inferno.
Apesar do sucesso da equipe, no momento estavam diante de um grande problema: o equipamento construído pelo Sr. Liu havia estragado, não havia como substituí-lo, a tecnologia havia sido ocultada pelo chinês.
Teriam que fazer engenharia reversa para estudar o sistema e tentar construir outro.
Juno disse que o trabalho iria requerer alguns anos.
Seis meses se passaram, Juno comparecia ao CEHPAT ao lado da esposa barriguda, desfilando como rei; ele também se transformou radicalmente, estava feliz com a vida que tinha, as paranoias acabaram, não queria mais mexer no passado e vivia intensamente o presente.
O quarto do bebe estava pronto, a cada dia Juno comprava algo diferente para a futura criança.
Lara reclamava dizendo que não havia mais espaço no quarto.
Tudo ia bem até que os ventos da desgraça sopraram na vida do casal:
Ela estava no oitavo mês de gravidez quando Juno chegou à chácara e a encontrou agonizando com várias perfurações de faca.
Imediatamente levou-a ao hospital, tudo em vão, antes de chegar ela faleceu. A criança, uma linda e grande menina nasceu, porém tinha sido atingida pelos golpes da arma e também morreu.
Imagens das câmeras instaladas na residência denunciaram a autoria da barbaria; investigações iniciaram, a polícia logo descobriu que foi Emília a executora do duplo assassinato.
Juno precisou ser internado, ficou 45 dias na clinica mantido a base de fortes calmantes.
Ainda na clínica, quando fui visitá-lo, relatou que quando saísse do tratamento, iria trabalhar, construir o equipamento necessário, voltar no tempo e matar Emília, evitando que ela praticasse o assassinato.
Nosso engenheiro estava alucinado, acabado, faziam seis meses que trabalhava sem descanso, mas sua mente não mais funcionava, não conseguia se concentrar, a todo momento entrava em crise. Foi afastado do trabalho.
Vendeu a chácara, comprou uma casa na cidade para o Sr. Kurusawa, seu grande amigo, então passou a morar com os pais. Um ano da morte de Lara havia passado.
Ficamos sabendo que Emília fora assassinada na penitenciária, mas isso não alterava os planos do Juno.
Conversávamos numa tarde de domingo quando ele novamente comentou que iria matar Emília:
_Matarei Emília evitando a morte da Lara e Larissa, assim também evitarei que Emília se torne assassina.
Precisava apenas construir o equipamento da MDT-FP001.
Porém Juno não tinha mais cabeça para trabalhar, estava afundado em depressão, vivia a base de calmantes. Certa madrugada me ligou:
_Não aguento mais, preciso de sua ajuda, preciso ver Lara, preciso conversar com ela.
Sem entender o que ele queria, perguntei:
_Esta bem Juno, mas o que quer que eu faça ?





























A  VIAGEM  ASTRAL


_Preciso sair do corpo, quero ir até ela.
_Mas isso não é tão simples assim Juno, nesse caso estaremos entrando no mundo espiritual, sair do corpo... , tudo bem, mas chegar até ela é outra história.
_Como irá encontrá-la ?
_Acha que pode chegar até ela sem permissão ?
_Então o que faço ?
_Sinto que morro um pouco a cada dia, já pensei várias vezes em suicídio, estou enlouquecendo.
_Façamos o seguinte, vá até a sede amanhã, verei o que posso fazer.
Por volta de 8:00 horas Juno me ligou dizendo que estava indo. Convoquei três membros da equipe, rumamos para lá.
Coloquei nosso amigo em transe hipnótico, o atrelei à máquina, iniciei o trabalho:
_Juno, quero que me diga se encontrou Lara após sua morte, busque na sua memória inconsciente.
Alguns segundos de silencio e veio a resposta:
_Sim, encontrei.
_Quero que descreva quando foi o encontro e em que condições.
_Foi no terceiro dia após o enterro, estava dormindo quando saí do corpo para falar com Lara.
_Quero que se lembre como foi o encontro e o que conversaram.
_Quando a vi me emocionei, a abracei fortemente, chorei e pedi que ela não me abandonasse.
Lara pediu que ele procurasse se controlar, que cuidasse da saúde, ela sempre viria vê-lo.
Juno perguntou pela filha, Lara respondeu que ela estava bem, que era linda e que estava cuidando dela.
Conversaram durante bom tempo, Juno chorava muito e Lara estava visivelmente entristecida, muitas vezes não sabia o que falar.
Aos poucos Juno foi se tornando sonolento e dormiu, nesse momento ele voltou para o corpo e Lara foi embora.
Continuei a regressão de memória, o engenheiro relatou mais vinte e dois encontros, todos foram durante o período em que dormia.
Em todos os momentos Lara estava com Larissa, o nome que eles haviam escolhido para a bebe.
Antes de encerrar a sessão ordenei ao subconsciente que transferisse as memórias para o consciente:
_Agora vou contar até três, voltará a consciência mais calmo, tranquilo, lembrará de todos os momentos que esteve com Lara e sua filha.
Embora tenhamos preferido que ele não tivesse acesso às imagens da regressão, as lembranças foram suficiente para lhe fazer bem.
Durante quarenta dias ele permaneceu calado, não saia de casa, passava a maior parte do tempo trancado em seu quarto, até que as crises voltaram, em uma delas, novamente de madrugada me ligou:
_Por favor, encontre uma saída, preciso vê-la.
_Quer que seja feita nova regressão ?
_Não, quero ir até ela, quero sair do corpo.
_Convocarei reunião da equipe, vamos estudar, faremos o que for possível para ajudá-lo.
Reuni a equipe, conversamos bastante, mas a conclusão era a mesma, agora somente Deus poderia ajudar o engenheiro.
Ainda em reunião, liguei, pedi que ele viesse até a sede.
_Juno, agora está tudo nas mãos de Deus, se Ele permitir você conseguirá; aproveitando que estamos juntos, proponho que formemos uma corrente, em oração pediremos a Deus permissão para que saia do corpo e encontre Lara. Oramos.
_Está pronto ?
_Sim, estou.
_Então vamos para a sala; deite-se, o colocarei em transe hipnótico.
Conduzindo o trabalho, tão logo o coloquei em transe dei a ordem:
_Você está calmo, está tranquilo, totalmente relaxado, agora você está em paz, suba lentamente, saia de seu corpo. Tão logo sair me avise.
_Estou fora do corpo.
_Vê alguém a seu lado ?
_Sim.
_Como ele é ?
_A aparência é de uma pessoa comum, mas percebo que tem uma forte luz sobre sua cabeça.
_Então converse com ele, pergunte quem é.
_Sim, perguntarei.
_Ele está dizendo que é meu guia espiritual, meu mentor, vai me ajudar.
_Também diz que Deus ouviu as preces e vai me ajudar.
_Nesse caso, falei, faremos nova oração, agora em agradecimento.
Oramos e voltei a falar com ele:
_Agora vou prepará-lo para seguir seu guia:
_A partir deste momento Juno, estou liberando para você todas as emoções, todos os sentimento, só não experimentará o medo.
_Tudo que você viver a partir de agora, todas as memórias do que irá viver serão transferidas de seu subconsciente para o consciente, quando voltar até nós se lembrará de tudo que viu, sentiu e ouviu.
_Você está pronto, está em boas mãos, vá em paz, quando voltar me avise.
Aguardamos em silêncio, com grande expectativa o retorno.
_Estou de volta, falou Juno.
_Como está ?
_Dentro do possível estou bem.
_Então volte para seu corpo.
Nesse momento atrelamos o engenheiro ao decodificador de ondas cerebrais, gravando as memórias do subconsciente.
Retirei Juno do transe hipnótico, mostrava-se cansado. Acredito que nos dias de sofrimento ele tenha emagrecido aproximadamente 15 Kg.
_Agora vá para casa e descanse, amanhã falaremos sobre o assunto.
Antes de voltar a conversar precisava estudar as imagens colhidas do cérebro do nosso paciente.
A equipe estava impaciente, ligamos o aparelho de reprodução, as imagens chegaram com som em nossa tela:
A principio ouvimos a conversa do ser espiritual com Juno; esse ser tinha aparência masculina, um homem com aparência de 50 anos, cabelos branco e pele muito clara, usava calça branca e camisa azul celeste; voz grave com palavras compassadas.


















CONHECENDO  A  VIDA  APÓS  A  MORTE


Os dois saíram lentamente da sede, atravessaram o telhado, pelos olhos do Juno víamos o teto das casas diminuindo de acordo com que se distanciavam.
Estavam saindo do planeta, colônias espirituais entravam no campo de visão do engenheiro.
Algumas mais próximas a Terra, outras ainda dentro do campo gravitacional de nosso planeta, porém em altura bem maior, mais distantes do solo terrestre.
Aos poucos observávamos o planeta diminuindo, até ficar do tamanho de uma bola de futebol e depois desaparecer.
Logo vimos um enorme campo florido, Juno falou sobre o perfume que exalava, eles deslizavam no ar.
Não demorou à aparecer uma grande planície, grama com vários tons de verde, muitos animais perambulavam.
Um grande rio cortava toda região, a água tinha diversas tonalidades de azul. Aves e animais estavam nas margens.
Agora se aproximava um imenso bosque, arvores de todos os tamanhos, algumas cheias de flores outras carregadas de frutos.
No voo rasante que faziam sobre o bosque, verificamos os galhos repetos de aves e animais.
Embora em nenhum momento tenhamos visto o sol, havia muita luz, o céu muito azul e os imensos coqueirais que se estendiam por vasta região, balançavam as folhas regidas por mansa brisa.
Logo surgiram as primeiras casas, telhados brancos, vermelhos, amarelos, verdes.
Distantes uma das outras, formavam chácaras a perder de vista.
Juno perguntou por que não havia estrada e nem ruas entre elas, o mentor explicou que naquela região as pessoas não precisavam andar. Simplesmente flutuavam e voavam.
No que imaginamos ser o centro da cidade, havia uma enorme construção em circulo, telhado azul com paredes brancas, circundada por imenso jardim, tão florido como as campinas.
Devagar desceram sobre um piso que parecia ser de mármore, branco como a neve.
Caminharam em direção a um enorme portal, várias pessoas do lado de fora observavam a chegada, entre elas estava Lara com Larissa no colo.
Ao vê-la Juno correu, a abraçou longamente; as pessoas fecharam um circulo em volta do casal e aplaudiram, enquanto isso, de dentro do salão saia um grupo de pessoas cantando em coral. A canção dava as boas vindas.
O refrão da música era feito por voz masculina que dizia:
_Seja bem vindo entre o povo de Jesus.
Do céu desceu milhares de pombas brancas que em revoada acompanhava a canção.
O ambiente era de profunda paz e alegria, crianças saiam de dentro do salão pulando e cantando, algumas subiam e voavam com as pombas.
Terminado as manifestações, as pessoas entraram no salão e uma linda música foi interpretada por aproximadamente 1200 músicos.
Quando a música acabou as pessoas começaram a sair, davam alguns passos e subiam, flutuando como plumas, cada grupo seguindo em uma direção, e todos diziam:
_Sejam felizes!
_Sejam felizes!
Juno pediu que Lara o deixasse pegar Larissa.
Abraçou-a com muito carinho, beijou várias vezes sua face; a menina correspondia rindo e olhando ternamente o pai.
Várias crianças corriam no jardim entre os canteiros de flores. Olhando em direção a uma delas Lara chamou:
_Julia, venha aqui.
Rapidamente a menina de aproximadamente 10 anos volitou e chegou perto do casal que estava sentado num banco do jardim.
_Este é Juno, meu marido.
_Seja bem vindo Sr. Juno !
_Obrigado Julia, você é muito linda e educada, respondeu Juno.
_Julia, vou levar Juno para conhecer nossa casa.
_Está bem dona Lara, vou ficar aqui com as crianças.
_Quem é Julia ? Perguntou Juno.
_Julia chegou aqui um mês após minha chegada, como não tinha parentes por aqui, convidei-a para morar comigo.
_Ela está aguardando a chegada dos pais que vivem na Terra.
_Agora venha, dê-me sua mão, subiremos e o levarei para minha casa.
Do alto Juno olhou as crianças correndo e brincando, com elas ficou uma moça que acenou para Juno em sinal de despedida.
Logo começaram a descida. Lara apontou para uma casa com telhado azul e disse:
_Olhe lá, está vendo aquele telhado azul com uma cachoeira ao lado ?
_Sim, vejo.
_É a minha morada. Vamos descer, prepare o trem de pouso, ah, ah.
_Lara estava feliz com a presença do Juno.
_Tão logo colocaram os pés no chão Lara gritou:
_Laica, venha aqui; Laiquinha meu amor, onde você está ?
Então apareceu uma grande cachorra, corpo robusto, de pelos curtos, amarelados, muito dócil.
 _É sua ? Perguntou Juno.
_Não Juno, aqui os animais são livres, ela não pertence a ninguém, porém somos simpatizantes, ela é minha companheira e a Júlia também tem muito carinho por ela.
_Agora entre, quero que conheça minha casa.
_Aqui é a sala; este aparelho é um dos meios de comunicação que usamos. Lembra muito um computador.
_Os que aqui estão por mais tempo também se comunicam por telepatia.
_Este outro aparelho lembra um aparelho de TV.
_É um dos vários meios que temos para nos distrairmos.
_Nele as crianças ouvem histórias, músicas, filmes, acompanham a apresentação do coral, de cantores e tem até um microfone caso queiram cantar acompanhando a música.
_Todas as histórias, inclusive para adultos tem algo para nos ensinar. Também através dele podemos acompanhar as festas realizadas em outras colônias, outras regiões espirituais. Nele também podemos ver o que acontece na Terra, em qualquer região.
_Esses aparelhos não têm fios conectados e nem precisam de energia para funcionar. Nunca estragam.
_Foi através dele que muitas vezes acompanhei seu sofrimento, também sofria muito ao vê-lo em desespero.
_Mas esqueça, vamos ao quarto da Júlia.
_É um quarto parecido com o que ela tinha na Terra. Tem brinquedos, bonecas e tudo que ela precisa para se distrair e sentir-se bem.
_Aquele quadro na parede tem a foto dos pais dela.
_Agora venha aqui; esta é a cozinha, tem tudo: tem pia, fogão, mesa, cadeiras, mas é somente para relembrar a Terra, aqui não cozinho porque não temos fome.
_Vamos a meu quarto.
Quando entraram Juno se emocionou. Na parede havia um quadro com a foto em tamanho real, era a imagem dos dois no dia do casamento.
_Você imaginava que só você pensa em mim ? Falou Lara.
_Eu olho para essa foto todos os dias, lembro-me de você a cada instante, dê nossa vida, nossos sonhos, nossos amigos.
Juno abaixou a cabeça, percebeu que apesar do ambiente de paz, Lara sentia muita dor, melancolia.
_Aqui também temos cama, gostou da minha ?
_É linda Lara, mas é para casal !
_Sim, claro que é para casal, por acaso sou solteira ?
_Esqueceu que você é meu marido ?
_Na verdade aqui não sentimos sono, mas quando queremos... , como vou lhe explicar... , quando queremos desligar o interruptor da mente, deitamos e simplesmente apagamos; pelo tempo que queremos ou até que alguém nos chame.
_Mas para mim essa cama também tem outra utilidade: várias vezes você se deitou em sua cama na Terra e continuou o sono aqui, nesta cama, a meu lado, só indo embora momentos antes de acordar.
_Sem saber você já passou muitas horas aqui conosco. Nesta região que estamos o tempo passa dez vezes mais lento que na Terra. Enquanto lá você vive uma hora, aqui vivo 10 horas.
_E quantas horas tem uma noite ? Perguntou Juno.
_Aqui não existe nem dia, nem noite. Se você quer enxergar o céu noturno, basta imaginar o céu escuro, então verá estrelas e planetas.
_Se você imaginar chuva, então verá a chuva caindo.
_Caso imagine a neve, verá a neve caindo, verá os campos coberto por ela; se quiser sentir frio ou calor, sentirá, depende do que no momento estiver querendo.
_Só não conseguimos controlar sentimentos como alegria ou tristeza, emoções em geral, por isso quando temos a sensação de solidão por saudades de entes queridos, saímos e vamos procurar o que fazer para nos distrairmos.
_No momento estou aprendendo a tocar balalaica, quero me tornar uma eximia tocadora de balalaica.
_Assim caso um dia volte para a Terra, já vou nascer sabendo tocar, então dirão que nasci com o dom, mas nem mesmo eu saberei o quanto treinei para aprender, ah, ah.
_Os que gostam de escrever podem construir estórias e transmitir telepaticamente para os que na Terra estão preparados para recebê-las.
_Aqui também tem cientistas como você, que passam o tempo todo estudando para ajudar os cientistas da Terra a encontrar solução para os diversos problemas, até mesmo na área da medicina.
Nesse momento Lara para de falar e diz:
_Alguém está me chamando, venha vamos ver.
_Mas não ouvi ninguém chamar, disse Juno.
_Chamou por telepatia, respondeu Lara.
_Venha, é amigo.
Era o mesmo mentor que havia levado Juno até lá.
Com voz serena ele falou:




























HORA  DE  IR  EMBORA


_Vamos Juno ?
_Mas já ?
_O Sr. não pode deixá-lo só mais um pouquinho ?
_Lara, sabe que não dou ordens, o único que sabe o que é melhor para cada um de nós é Jesus, Ele sabe por que Juno está aqui e quando deve voltar.
_Também já passaram 7,5 horas em nosso tempo, na Terra Juno está quase no limite que o corpo aguenta, já passaram 45 minutos.
_Tem razão, o Sr. me desculpe.
_Não há motivos para pedir desculpas Lara. Apenas se despeça do Juno.
_Mas o Sr. sabe se ele poderá voltar ?
_Sei sim e lhe digo com certeza que ele voltará várias outras vezes, porque na Terra estão gravando tudo que Juno está vivendo aqui no mundo espiritual, esse material futuramente servirá para levar esclarecimento aos que lá estão e procuram a verdade.
_Vamos Juno ?
Juno foi até o quarto, beijou Larissa, abraçou Lara com muito carinho e saiu; disse apenas:
_A amo muito.
Terminamos de assistir o filme, percebemos que não havia nada para falar ao Juno, nós é que tínhamos aprendido bastante.
Um dos membros da equipe, maravilhado com o local e situação falou:
_Nossa... , que maravilha, acho que vou pedir para São Pedro dar baixa em minha carteira, quero ir embora para lá.
_É muita sorte se você for para lá, acho que vai escorregar e cair numa das regiões negras, ah, ah. Respondeu em piada outro membro da equipe.
Estava marcado para Juno voltar dentro de uma semana, seriam mais 45 minutos que na gravação do filme correspondia a 7,5 horas.
Aquela semana Juno esteve bem melhor, conseguiu até sorrir. Foi ao trabalho, visitou os membros da equipe, foi à casa do Sr. Furukawa, conversou com nossa equipe discutindo tudo que viveu.
Alegre o Sr. Furukawa lhe disse que estava perto de construir o equipamento que a MDT-FP001 precisava para voltar a funcionar.
Sr. Furukawa tinha grande carinho por Juno, queria ajudar o amigo a voltar no tempo e evitar a morte da esposa. Trabalhava incessantemente.












A  REVELAÇÃO


No momento marcado estávamos todos prontos, Juno estava sorrindo.
O coloquei em transe hipnótico, dei a ordem para subir, sair do corpo.
Tão logo saiu, Juno disse que já estava ao lado do mentor, porém ele tinha uma mensagem para mim.
_Para mim ? Perguntei com espanto.
_Sim, ele está dizendo que vai usar o meu corpo para se comunicar com vocês, mas que não saberei, não lembrarei o que ele vai relatar.
_Está bem, respondi.
Então usando a boca do Juno ele disse:
_Boa noite a todos.
_Que a paz de Jesus esteja com vocês.
_Irmãos em Cristo, estamos juntos em grande missão.
_Cada membro desta equipe aqui está porque assim Jesus quis, porque vocês fazem parte de uma importante missão.
_Estão aqui para aprender com os fatos, esses fatos deverão ser divulgados; o planeta entra na Nova Era, tempo em que o véu da ignorância deve ser retirado dos olhos do ser humano.
_Vocês tem alta tecnologia nas mãos, tem permissão para gravar tudo que Juno viu e verá no mundo espiritual. Por isso a partir de agora, podem atrelar o aparelho e acompanhar em tempo real tudo que Juno estará vivendo.
_Todo esse material deverá estar à disposição de todos, sem distinção, e o mais importante: sem cobrar nada. As copias dos filmes deverão ser doadas a todos que solicitarem.
_Além de vocês, nessa divina missão estão envolvidas várias pessoas: a equipe de trabalho do Juno, Lara, os pais da Lara, Larissa, Juno, os pais da Emília e a própria Emília.
_Agora relatarei o que diz respeito à participação dos membros dessa missão:
_À equipe do CEHPAT ficou a responsabilidade de apoiar e orientar Juno, é a ancora espiritual; está encarregado da divulgação de todo material colhido e que se refere à Juno, a sua história.
_À equipe do INPE ficou a responsabilidade de apoiar Juno tecnicamente, trazendo meios para que a humanidade entenda que ainda não sabe nada, que entendam através da ciência, que não estão aqui só de passagem, que a época é apenas uma questão de situação temporária. Ficaram incumbidos de tornar o espaço explorável pelo ser humano, a fim de que futuramente a raça humana não entre em extinção.
_À Lara coube ser o motivo das experiências do Juno; coube incentivar o esposo, se submeter a todos os testes que ele precisava realizar.
_Aos pais da Lara coube trazer-lhe a vida e tirá-la de seu país natal para o grande encontro com Juno; coube educar e instruir; em derradeira missão submeteram-se a doença para que Lara, sozinha pudesse entregar-se totalmente a missão.
_À Larissa, irmã da Natasha e filha da Lara, coube nascer para atender ao pedido do Juno, ser o conforto para Lara nos difíceis dias após o desencarne.
_Lara e Larissa desencarnaram para que Juno fosse atraído à cumprir sua última parte na missão.
_Aos pais da Emília coube à missão de trazê-la ao mundo, falar-lhe sobre Deus, dar-lhe amor, ensinar-lhe o caminho correto. Para isso aceitaram conviver com a angústia, desolação, grande sofrimento ao ver a filha se perdendo nos caminhos da obscuridade.
_Ao Juno coube sacrificar seu tempo de vida em prol da evolução terrestre, tanto no sentido tecnológico quanto espiritual.
_Aos cientistas ele levou a espiritualidade, à espiritualidade ele ofereceu o trabalho dos cientistas.
_Juno foi o escolhido para a missão pelo seu grau de espiritualidade, determinação, inteligência e grande amor por Lara; amor que o tornaria obstinado em ajudá-la.
_Emília veio à Terra saindo de uma região obscura, de grande sofrimento, pois lá encontram-se seres que são o terror, a maldade, o eterno sofrimento.
_Vivendo nesse ambiente sentia-se injustiçada, clamava à Deus dizendo que era apenas uma vítima que pagava pelo erro dos demais que fizeram parte de suas várias vidas.
_A ela foi dada a oportunidade de nascer em família que a amou, ensinou a amar e perdoar. Foi dada a oportunidade do autoconhecimento, de saber qual é sua verdadeira índole. Foi dada a chance de estar e trabalhar com o povo de Deus, porem preferiu construir caminho de maldade, sofrimento e insanidade.
_A experiência pela qual Juno hoje passa no mundo espiritual, não é permitida aos demais, pois após esse convívio no mundo espiritual, inevitavelmente perderiam o interesse de viver no mundo material.
_A partir dessas experiências na espiritualidade, Juno não terá mais motivação para estar na Terra, porem isso só foi permitido a ele porque sua hora de rumar a Jesus está muito próxima.
_Neste momento Juno está descansando, dormindo, aguardando que o chamem.
_Não tenho mais nada a dizer, apenas que se amem, se respeitem, que vejam em cada ser a imagem e presença de Jesus Cristo.
Olhei para cada membro da equipe, todos estavam surpresos, ninguém se arriscou falar nada.
Eu continuava na liderança e precisava falar com Juno, ajudá-lo a completar a missão que nem mesmo ele sabia ter.








DE  VOLTA  A  ETERNIDADE


_Juno, está me ouvindo ?
_Sim, estou.
_Está pronto para ver sua amada ?
_Sim.
_Então novamente lhe devolvo todos os sentimentos, toda capacidade de analisar, todas as emoções, só não sentirá a sensação do medo.
_Estamos acompanhando seus passos, siga com o mentor.
Novamente atravessaram o campo gravitacional terrestre, logo entravam na região onde Lara se encontrava.
_Vou levá-lo diretamente à casa da Lara.
_Está bem.
_Ela já está lhe esperando.
_Olhe lá Juno, é a casa.
_Sim, vejo a cachoeira.
Lara com Larissa no colo e Julia ao lado, aguardavam o visitante na porta da casa.
Cumprimentaram-se, Juno abraçou e beijou as três.
O mentor saiu e Juno entrou no recinto abraçado à esposa.
_Como está Juno ?
_Estou bem dentro do possível, mas não sou o mesmo, não tenho mais motivação para nada, vivo como um robô.
_Centenas de pensamentos passam ao mesmo tempo por minha mente, às vezes penso que vou ficar louco. Não sei o que devo fazer.
_Esses últimos dias vivi o tempo todo esperando por este momento.
_Eu sei Juno, tudo que você senti chega até mim, porque nossa ligação é muito grande. Você estará vindo para cá sempre que possível, então, antes de mais nada agradeça a Jesus pelo presente que estamos recebendo.
_A vida não é fácil para ninguém, nem para você, nem para mim.
_Quando você está feliz, me sinto feliz, quando você se entristece também fico triste.
_Vamos viver cada dia, vamos procurar fazer desses dias os melhores, mesmo que não sejam bons procure vivê-los de forma positiva, pois nada é eterno, você sabe, tudo tem fim, não há mal que sempre dure, depois da tempestade vem a bonança.
_Agora venha, Julia me disse que vai ficar aqui em casa brincando com Larissa, então poderemos passear.
_Vou levá-lo para conhecer um local interessante.
_Logo que desencarnei me levaram para lá.
_Venha, me de a mão, prepare as asas para decolar, ah, ah.
Os dois subiram aproximadamente 50 metros e Lara falou:
_Está vendo lá no fim do horizonte, um prédio com telhado arredondado, dourado, brilhante ?
_Sim.
_É para lá que vamos.
Sobrevoaram várias chácaras, havia muito verde, muitas flores, algumas pessoas acenavam chamando atenção; logo chegaram ao local.
Um enorme prédio em estilo futurista, teto redondo, dourado, três andares, paredes espelhadas com muitas e amplas janelas, enormes portas davam acesso a várias entradas.
_Olhe que lindo Juno, o prédio resplandece aumentando o brilho da região.
_Vamos entrar.
No prédio havia diversas salas, a todo momento chegava alguém amparado por pessoas vestidas de azul claro.
_Oi Sr., podemos seguir vocês ? Falou Lara a um homem que conduzia e amparava uma senhora.
_Sim, venham, ela acabou de desencarnar, estou conduzindo para os primeiros tratamentos.
_Para onde vamos Lara.
_Vamos acompanhar essa senhora que segue para tratamento de desmaterialização.
_Eu passei por isso, um dia você também passará.
_Está vendo aqueles aparelhos transparentes ?
_A senhora será colocada em um deles e ali permanecerá durante 240 horas locais, 24 horas terrestre.
_Nesse estágio ficamos adormecidos, sendo preparados para a segunda fase.
_Agora vamos à outra sala, verá pessoas na segunda fase do tratamento.
Várias pessoas transitavam pelos recintos, em todo ambiente ouvíamos suave música.
_Chegamos, olhe aquelas máquinas; ali as pessoas passam pela segunda e última fase.
_Aqui nos desvencilhamos das sensações de fome, dor, fraqueza e tudo que se relaciona a matéria física.
_Quando saímos do aparelho desfrutamos de uma sensação de grande leveza, nos sentimos livre do peso da matéria, você senti vontade de voar.
_Poderá ainda sentir fome, sono ou dor, porem isso não permanecerá por muito tempo, pois essas sensações são causadas por nossa própria mente, pelo fator psicológico.
Juno e Lara andaram por todo ambiente, subiram até o terceiro andar, conversaram com muitas pessoas e voltaram para casa. Juno queria ficar um pouco com Larissa.
Chegando à casa Juno correu para o quarto, abraçou a filha e começou a dançar com ela no colo.
_Me abrace forte Larissa, vou ensinar-lhe uma dança russa.
_Por favor Lara coloque a música russa Kalinka para eu e essa dama dançarmos.
Lara colocou e Juno dançou com a filha no colo.
_Lara, disse Juno. Nossa filha não irá crescer ?
_Você me fez a mesma pergunta que fiz a algum tempo quando estava reunida a comunidade no salão de festas.
_Explicaram que Larissa vai permanecer nesta idade até quando ela quiser.
_Mas geralmente, aos pouco se cansará dessa situação e começará a crescer, normalmente como na Terra.
_Caso ela queira continuar em determinada idade, poderá, tudo depende da vontade dela.
_Você não me falou de seus pais Lara, estão nesta colônia ?
_Não, estão próximos à Terra. Estive lá várias vezes.
_Estão bem, ficaram muito alegres quando me viram.
_Eles também vieram visitar você ?
_Não, eles não podem estar aqui.
_Podemos ir a colônias iguais ou inferiores a nossa, mas para irmos a colônias superiores a nossa, somente com permissão.
_Na próxima vez que voltar aqui poderá visitá-los. Irão adorar ver você.
As horas passaram, Juno precisou voltar.
Nas semanas que seguiram Juno continuou visitando as colônias e nós gravávamos a viagem astral:










CONHECENDO  OUTRAS  COLÔNIAS


Agora víamos o mentor, Lara e Juno visitando a colônia onde se encontravam os pais da Lara.
Nessa região víamos as casas também em estilos de chácaras, interligadas por ruas e estradas.
Ainda pairando no ar Juno perguntou:
_Por que aqui há ligação entre as residências por meio de vias ?
_Aqui Juno, respondeu o mentor, as pessoas locomovem-se pelo chão não flutuam, esta colônia tem forte ligação com a Terra, você percebe que ela está dentro do campo magnético terrestre, então vai observar que o cotidiano das pessoas é muito próximo ao cotidiano dos que estão encarnados.
_Observe também que é uma das regiões mais alta, ela está próxima ao limite do campo gravitacional, porem está dentro dele.
_As que aqui estão são todas pessoas de boa índole, espiritualizadas, porem ainda com forte ligação ao planeta; elas gostam, se sentem bem com o estilo de vida dos que estão na Terra.
_Entre a população local, 50% das pessoas trabalham cultivando vegetais, cereais, frutas e legumes.
_Aqui tem uma espécie de legume que possui gosto de carne.
_Os que cultivam sentem necessidade de consumir esses alimentos, os que não cultivam vivem sem necessidade de alimentar-se.
_Entre eles há uma necessidade comum a todos: o sono.
_Mas aqui não há um aparelho para desmaterialização ? Perguntou Juno.
_Sim e é o primeiro processo a que se submetem.
_Os aparelhos usados são adaptados aos que aqui estão; retiram a dor dos que desencarnam feridos, doentes, retiram a fome, mas não retiram o sono, pois eles possuem um perispirito que é alimentado por energias adquiridas durante o sono.
_O perispírito altera-se de acordo com o grau de espiritualidade.
_Aqui não existe hospital, existem pessoas que trabalham como psicólogos, tratam o emocional.
_Aqui tem dia e noite, a luz é a mesma que ilumina a Terra, a luz do sol.
_Todas as regiões que estão dentro do campo gravitacional da Terra seguem o tempo terrestre.
_Nesta região não tem frio nem calor, também não há chuva e nem os fenômenos naturais da Terra.
_As lagoas e lagos que pode observar, assim como rios, foram criados pelos habitantes que usam o plasma como matéria prima.
_Com a energia plasmada eles constroem tudo que existe dentro da colônia, até mesmo a iluminação artificial.
_Possuem aparelhos parecidos com radio e TV, a programação é local, feita por eles.
O mentor levitou sobre grande parte da região para que o casal pudesse observar o ritmo de vida.
Visitaram os pais da Lara e Juno voltou para a Terra.
As crises do Juno acabaram, foi reduzida drasticamente a quantidade de calmante, tomava apenas para dormir.
Apesar da grande evolução os médicos preferiam que ele continuasse afastado.
Dia a dia nossa equipe estava mais espiritualizada, o aprendizado do Juno também era nosso aprendizado.
Tornamos padrão todas as reuniões iniciarem com oração em agradecimento a Deus. Pedíamos que Ele abençoasse e dirigisse nosso trabalho.
A equipe do Juno dentro do INPE estava integrada a equipe do CEHPAT, juntos assistíamos todos os filmes.
Agora falando e entendendo o português suficiente para não mais precisar de interprete, o Sr. Kurusawa também participava de todas as reuniões.
Comentamos a observação de que as equipes se uniram, fundiram-se através do nosso engenheiro, que foi apelidado carinhosamente como capitão Juno.
A opinião era unanime de que dia a dia Juno se desligava da Terra, falava todo o tempo sobre o mundo espiritual e não dava atenção nem mesmo para sua grande invenção.
Hoje o capitão Juno estava apreensivo, sabia que as próximas viagens seriam nas regiões inferiores.





CHEGANDO  ÀS  REGIÕES  INFERIORES


Todos estavam presentes, a curiosidade transparecia, as expectativas eram grandes; o corpo do capitão Juno já estava atrelado ao decodificador e seu espírito já havia saído.
O mentor e Lara estavam presentes.
Iriam visitar as regiões que estão localizadas abaixo das nuvens e acima da superfície terrestre.
Subiram entre três a quatro quilômetros, logo surgiram às primeiras imagens:
O local era uma replica exata de tudo que se tem aqui na Terra.
_Os que habitam esse local, falou o mentor, estão vivendo como se estivessem materializados.
_Quando desencarnam são enviados diretamente aos hospitais, após o tratamento são enviados para sessões de desmaterialização, que servem somente para aliviar o efeito das sensações que o corpo material proporciona. Nunca são desmaterializados totalmente.
_Sentem frio, calor, fome, dor e precisam de constantes cuidados.
_Tem equipe de médicos, psicólogos e psiquiatras.
_Aqui como na Terra, a índole dos indivíduos se mistura.
_Precisam trabalhar, pois é parte importante da terapia ocupacional. A maioria não sabe viver sem trabalhar, não consegue se satisfazer somente com o lazer.
_Alguns conseguem construir coisas com energia plasmada, porém a maioria de tudo que aqui se encontra é feito por espíritos de planos superiores.
_Trabalham na agricultura e pequenas indústrias, fabricam tudo que precisam para se sentirem bem.
_Os aparelhos como a TV recebem programação da Terra e são aparelhos comunitários, colocados em locais específicos.
_Observe a grande quantidade de igrejas.
_Em outras regiões como esta poderá observar sinagogas, igrejas, e diversos templos, isso vai depender dos habitantes, de seus hábitos e crenças.
_Agora vamos sair desta região indo para outra mais abaixo, quase colada ao solo, aproximadamente entre 800 metros a 1 km de altura.
Novamente vimos na tela uma replica do nosso planeta. O mentor continuava a descrição:
_Aqui vamos encontrar ambientes mistos.
_Observe a comunidade cercada por altos muros, tendo ao lado uma região degradante.
_Esses seres estão separados apenas pela muralha.
_Os que moram dentro da muralha tem a índole duvidosa, são constituídos por pessoas que chegaram até aqui através do egoísmo, arrogância, falsidade, indiferença ao sofrimento alheio, ganância, intolerância de toda espécie.
_Vivem a mesma vida que tinham na Terra, porém não possuem nada, vivem em comunidades, dividem tudo com todos. Faz parte do aprendizado.
_Seres com maior evolução espiritual fazem reuniões e os ensinam a caridade e desapego material.
_Nesta região também tem igrejas, sinagogas, tempos, etc...
_Não existe nenhum tipo de tecnologia que leve a distração.
_Agora vamos ver a região que está fora da muralha.
_Aqui se encontram seres de péssima índole: ladrões, viciados que desencarnam através do consumo de drogas pesadas, traficantes, estelionatários, criminosos, bandidos de toda espécie; indivíduos agressivos, com todo tipo de distúrbio e desequilíbrio.
_Nesta região ninguém trabalha, não há laser, sentem fome mas não tem nenhum tipo de alimento, não há médicos, não recebem nenhum tipo de tratamento.
_Observe que o ambiente é inóspito: sem animais, sem plantas, sem água, sem casas, sem construções e nenhum ser vivente além deles.
_A luz do sol não penetra, apenas uma penumbra possibilita que um veja o outro.
_Brigam constantemente, formam gangues e uma gangue ataca a outra.
_Não é raro esses seres adquirirem a insanidade, a loucura que muitas vezes os acompanha quando reencarnam. Tem muitos que estão aqui a mais de mil anos. Conforme o coração de pedra vai se desfazendo, recebem permissão para reencarnar, mas antes passam por tratamento e preparo para receber o corpo terrestre.
_Há alguns casos em que saem daqui, recebem tratamento e passam a viver na colônia dentro da muralha. Emília foi um desses casos, mas infelizmente não adiantou, hoje ela está aqui novamente.
_Não vou levá-los até ela, ouviriam muita bobagem e palavrões, mas a verão através desta tela.
Nesse momento o mentor levantou o braço direito, no ar riscou um retângulo que se transformou em uma tela.
Através dessa tela vimos Emília. Estava sentada sobre uma pedra, descalça pisava no solo negro, empoeirado.
Sua aparência era bem próxima à aparência adquirida aqui na Terra: uma moradora de rua, suja da cabeça aos pés, roupa em trapos, cabelos espatifados, olhar diabolicamente penetrante. Naquele momento ela discutia com um homem, era nítido o olhar de ódio.
_Por hoje é só capitão Juno.
_Obrigado pelo capitão, senhor general.
O bom humor do capitão Juno estava voltando.
_Caso queira poderá ir para casa da Lara; veja sua filha, faça tudo que tem direito, se amem muito, pois é o amor que nos dá sentido a vida. Na próxima vez irá conhecer região ainda mais inóspita. Esteja preparado.
Assim a sessão foi encerrada.
Feliz o Sr. Furukawa dava a notícia para o capitão Juno de que estava trabalhando apenas alguns detalhes no aparelho da MDT-FP001, logo o disco voador estaria a disposição para o capitão voltar no tempo evitando a morte da amada.
Mais uma semana havia passado, cada dia nossa equipe estava mais interessada na viagem astral do capitão Juno.



























INFERNO  E  PARAÍSO


Iniciamos a sessão, o capitão estava fora do corpo, através de seu campo de visão observávamos a presença do mentor e Lara.
_Já estão aqui, falou Juno.
_Sim, vá com eles e com Deus, estamos atentos a tudo. O decodificador já está gravando.
Dirigindo-se a Juno, o mentor falou:
_Não sairemos da Terra, hoje nosso primeiro passeio será aqui mesmo, vou aguçar sua visão para que veja os seres que vagam na superfície da Terra.
_Venha, vamos andar um pouco.
Logo ao sair do CEHPAT o mentor falou para Juno:
_Olhe para traz, diga o que vê.
Juno olhou em direção ao prédio do CEHPAT e disse:
_Vejo uma bolha envolvendo o prédio do CEHPAT, parece um campo de força.
_O que mais vê, perguntou o mentor.
_Não vejo mais nada, apenas pessoas circulando.
_Concentre seu olhar, disse o mentor.
_Nossa, falou Lara, estou vendo coisas ?
_O que vê Lara ? Perguntou Juno.
_Vejo seres horríveis.
Percebemos que Juno focou o olhar na porta de entrada do CEHPAT.
_É verdade Lara, respondeu Juno, são bichos, monstros, metade homem metade bicho.
_Estão tentando entrar na sede.
_Olhe no teto do CEHPAT, estão tentando entrar por cima também.
_Estão por toda parte Juno, falou Lara, observe as calçadas, a rua.
_Sim, estou vendo. Olhe para cima, tem alguns que voam, parecem bichos pré-históricos.
_Venham, continuem andando e observando, disse o mentor.
_Estão por toda parte, entram e ficam em qualquer lugar: hospitais, escolas, igrejas, departamento de polícia, governo, casas, mosteiros, conventos, fabricas, lojas, creches, asilos, hospícios e todo local que imaginar, por isso nós colocamos a proteção no prédio do CEHPAT.
_Achamos melhor prevenir, eles atacam tudo e todos, mexem com a mente das pessoas, estragam equipamentos, colocam doenças de todo tipo, alteram o estado emocional causando encrenca, desentendimentos.
_Há infinidade de casos em que levam as pessoas à loucura, assassinato, suicídio entre outra coisas.
_Parece que não tem como escapar dessas criaturas, falou Juno.
_Engano seu, respondeu o mentor. Na verdade todos estão sendo envolvidos pelas energias negras dessas criaturas, porém os limpos de coração, os que são do bem e estão em contato com Deus, estão protegidos.
_Entretanto até mesmo essas pessoas são atacadas no momento de descontrole emocional, onde a pessoa momentaneamente se enerva, se descontrola, se enraivece; esse é o momento que eles conseguem atacar.
_Como eles não tem força espiritual, usam as energias do ser humano, até mesmo sugam essas energias; os que tem índole parecida ou igual a deles são facilmente influenciados e usados por eles.
_Contrario ao que muitos pensam, eles não conseguem tomar o corpo de ninguém, mas é como se o fizessem, pois dominam o principal, dominam o que rege o corpo do ser humano, dominam a mente.
_Olhe atentamente para qualquer pessoa que está a sua frente e verá que todos tem um campo magnético que os envolvem e protegem contra o ataque direto dessas criaturas; esse campo magnético se chama aura, ela tem sete camadas, cada camada tem uma função.
_Quando a pessoa tem a proteção de Deus, por mérito próprio, a primeira camada da aura se torna grossa, impenetrável, bloqueia até mesmo as tentativas de envio de mensagens diabólicas, que chegam ao cérebro em forma de pensamento.
_Além da aura o ser humano tem outra grande proteção, quando essa proteção recebe força do próprio ser humano, então pode trabalhar para ajudá-lo.
_Porem quando o ser humano não lhe dá a força suficiente para trabalhar, essa proteção se torna nada e nada pode fazer. A proteção de que lhe falo se chama mentor ou anjo da guarda.
_Muitas vezes o anjo da guarda é obrigado a ver tudo acontecendo e nada pode fazer, pois a energia que seu protegido(a) emana, não emana para ele e sim para um desses seres destruidores. Todos tem um mentor, um anjo da guarda, mas nem todos recebem sua proteção.
_Esses anjos iniciam seu trabalho no momento que a pessoa nasce, permanece ao lado do ser humano a cada segundo, a vida toda, seu trabalho só termina quando a pessoa desencarna. Cada pessoa tem seu anjo da guarda.
_Os anjos não tem sexo mas tem forte personalidade, essa personalidade também expressa a sexualidade que pode ser masculina ou feminina.
_Caso se concentre profundamente, verá ao lado de cada humano um ser emitindo luz, perceberá que alguns aparentam ser homens, outros mulheres.
_O fato de apresentarem personalidade masculina ou feminina não altera o grande poder que cada um deles tem.
_Quem é o meu anjo da guarda ?  Perguntou Juno.
_Ele está aqui neste momento ?
_Sim, está, respondeu o mentor.
_E quem é, posso vê-lo ?
_Está vendo há muito tempo, sou eu.
_E a Lara também tem anjo da guarda ?
_Agora não tem por que, não mais precisa, onde ela vive está protegida de tudo.
_Além desses seres horrendo, perambulam pela Terra imensa quantidade de pessoas que não aceitam a morte e querem continuar vivendo aqui; cada caso é um caso, desde que recebam permissão poderão permanecer.
_Para que entendam, essas pessoas vivem num mundo imaginário, semelhante ao mundo daqueles que estão sob efeito de drogas, vivem o que gostariam de viver, veem e sentem o que gostariam de ver e sentir.
_É como se estivessem drogados, alucinados; por não aceitarem a morte o subconsciente cria um mundo próprio, onde aprisionados pela imaginação vivem o que está dentro deles, estão isolados do mundo real.
_A grande desvantagem é que ficam parados no tempo, não são desmaterializados, vivem como zumbis.
_Quero pedir que preparem-se para continuar vendo criaturas em estado deplorável, vou levá-los ao inferno.
_Faço-lhes um pedido agora, fechem os olhos, pensem em Deus, coloque-O dentro da mente e do coração, irão receber uma energia extra para entrar no ambiente que vamos.
O mentor ajoelhou-se, levantou a mão esquerda para o céu, um forte raio de luz veio até sua mão, então com a mão direita ele descreveu um circulo em volta do capitão e da Lara.
_Estão prontos, vamos.
Rapidamente subiram, pudemos ver o planeta desaparecendo rapidamente; em certo ponto pararam e o mentor falou:
_O local onde entraremos é totalmente escuro, uma luz sairá de meu corpo e será o brilho dela que nos permitirá ver o ambiente.
_Aqui se encontram seres da pior índole, vivem como bichos, tal como é a própria aparência.
_Abaixo de nossos pés é pântano, lodo, percebam o grande mal cheiro que exala.
_Esses horrendos bichos que vocês veem são espíritos transformados pela maldade e o ódio que representam.
Gritos, palavrões e gemidos ecoavam, sons estridentes de animais, urros, uivos e todo tipo de som macabro.
Pessoas e bichos se misturavam, rastejavam e se atacavam. Rostos desfigurados, corpos mutilados, deformados, alguns estavam envolvidos por gosma pegajosa.
_Estou sentindo enjoo, falou o capitão Juno, esse cheiro de cadáver me embrulha o estomago.
Os três percorriam o ambiente flutuando quando de repende um enorme ser monstruoso os atacou.
O mentor levantou a mão direita em direção do bicho que caiu imobilizado.
O ambiente estava repleto de seres com aparência de aranhas horripilantes, escorpiões, dragões, enormes morcegos, serpentes gigantescas, demônios com dois, três e quatro cornos, homens e mulheres com duas ou três cabeças, quatro braços, seis pernas, outros eram larvas.
_Não aguento mais mentor, o enjoo está muito forte, falou Juno.
_Acho que viram o suficiente, vamos sair, replicou o mentor.
Lara estava atônita, falou somente depois que saíram:
_Nossa que alívio estar fora desse ambiente, a energia que impera é tão destruidora quanto poderosa. Eu também estava ficando tonta, tive a impressão de que iria sufocar.
_Os seres que aqui estão, falou o mentor, são a escória da humanidade.
_Muitos estão aqui há milênios e continuam os mesmos, o ambiente foi criado de acordo com o que eles são. Nesse ambiente jamais entra um raio de luz, o sofrimento é eterno, porem eles não mudam.
_Pensei que fossemos ver o fogo do inferno, falou Lara.
_O fogo existe, falou o mentor, porem está dentro de cada um, é o fogo do desespero, da loucura, o fogo da maldade que arde dentro de cada um.
_Por tudo que vimos percebo que moro no céu, falou Lara, entretanto também percebo que existem mais regiões com espíritos inferiores do que evoluídos.
_Não Lara, não é bem como está pensando, nessa região próxima à Terra realmente encontrará seres menos evoluídos, pois o planeta é local de recuperação, de aprendizagem, no entanto existem infinitas regiões com seres de altíssima evolução.
_Se lembram do Sr. Liu ? Ele está em uma dessas regiões.
_Poderíamos visitá-lo ? Perguntou Juno.
Nesse momento o mentor fechou os olhos, pareceu entrar em transe, segundos depois respondeu:
_Sim, recebemos autorização, uma nave virá para nos levar.
_Nave ?
_Sim Lara, uma nave.
_A região que iremos é muito distante da Terra, iremos para a região de Óreon, está a mais de mil anos luz de distância.
_Essa nave é infinitamente mais veloz que a velocidade da luz, ela navega perto da velocidade do pensamento, em poucos minutos estaremos lá.
Nesse momento uma enorme nave pairou no ar.
Um forte foco de luz envolveu e abduziu os três para o interiro da nave.
Juno se colocou enfrente ao painel frontal, de onde poderia ver imagens da viagem no espaço, porem não foi possível ver nada, apenas uma forte luz inundou a cabine e já estavam lá.
Ainda no espaço a nave parou e vimos um enorme planeta.
_Nossa, falou Lara, é diferente de tudo que vimos até agora, o planeta é branco.
_Não, interveio o mentor, o branco vem da luz que ele emite, os raios de luz são claros como a neve, é um planeta espiritual, abençoado por Deus.
_Esse local é morada de seres com extrema elevação espiritual, aqui estão grandes cientista, não só grandes na inteligência como também grandes na sabedoria e no coração.
_O planeta é um imenso laboratório, está dividido por regiões, cada região atua em uma área. Nessas áreas temos cientista de tecnologia espacial, tecnologia da medicina, de energias, de comunicação, da alimentação, genética e centenas de outros seguimentos.
_Trabalham em prol de todos os seres do universo, não somente da Terra, é bom lembrar que existe quantidade inimaginável de seres vivendo em planetas parecidos ou iguais a Terra.
_Além desse trabalho, é comum encarnarem nos diversos planetas, levando a tecnologia diretamente até os que lá estão; além disso levam o principal: sabedoria e amor, como foi o caso do Sr. Liu. Também vão como mentores.
_Você Juno, recebeu total apoio deste povo em sua invenção, várias vezes enquanto dormia foi trazido para cá e recebeu instruções.
_Isso foi possível porque é chegado o momento da Terra iniciar sua maturidade científica. Lembre-se de quem lhe ajudou com o principal equipamento da MDT-FP001, o Sr. Liu.
_Agora vamos vê-lo.
Rapidamente a nave chegou à superfície do planeta e pairou sobre um imenso prédio. Sr. Liu os recepcionou:
_Olá amigos, que boa surpresa estou tendo com a presença de vocês.
_A surpresa é minha Sr. Liu, não sabia que o Sr. falava minha língua, falou Juno.
_Ah, ah, aí é outra história capitão Juno, aqui estão pessoas que desencarnaram de diversos pontos da galáxia e todos se entendem. Não se esqueça que além de tudo o Sr. entrou numa Terra de grande magia.
_Na verdade o Sr. não está entendendo minhas palavras e sim a mensagem que está saindo de meu cérebro. É assim que nos comunicamos aqui.
_Venham, tenho algo para mostrar a vocês.
Os quatro desceram flutuando por uma espécie de túnel e adentraram um enorme galpão, repleto de máquinas de diversas formas e tamanhos.
_Estamos em um dos centros de tecnologia espacial, daqui saem máquinas para todos os pontos do universo, tem máquinas para todas as necessidades.
_O que acha desta ?
_É a sua máquina Juno; falou Lara.
_Sim, é a máquina que o capitão Juno inventou, ela estava aqui há aproximadamente 400 anos terrestres, aguardava o momento para ser construída na Terra.
_Vamos para outro prédio, tenho mais coisas para lhes mostrar.
Os quatro saíram do galpão e flutuaram até chegar a outro local.














NA  TERRA  DA  MAGIA


O prédio foi construído à dar impressão de ser uma gigantesca taça de cristal.
Subiram por um túnel que ligava a base da taça à plataforma superior.
Mais uma infinidade de máquinas estava por todo o recinto.
_Venham ver esta.
_É o decodificador de ondas cerebrais; falou Juno.
_Sim, ele está aqui a mais de 3000 anos, tempo terráqueo.
_Foi construído e usado por habitantes de outro planeta há aproximadamente 2800 anos terrestres, porem o original é este, foi criado e construído aqui.
_Como vê, nunca ficamos parados, há sempre locais precisando de ajuda.
_Sei que seu tempo é curto, mas poderão conhecer minha esposa e minha casa, venham.
Flutuaram novamente túnel abaixo seguindo em direção a bosques mágicos.
_Olhe o detalhe Lara, as arvores não estão fixas no solo, se locomovem e tem vida inteligente.
_Aqui animais e vegetais também se comunicam usando o mesmo processo que usamos para nos entender.
_Todos os seres mágicos que a imaginação do homem criou na Terra, estão aqui.
_Olhe a sua direita, está vendo ao longe pássaros brancos voando ?
_Sim.
_Não são pássaros, se estivéssemos mais perto perceberíamos que são cavalos brancos alados.
_Nos bosques vocês podem encontrar fadas, duendes, unicórneos, leões com cabeça de águia, centauro, minotauro e muitos outros seres. Temos até o saci, porém o nosso é um ser do bem.
_Aqui nenhuma forma de vida se alimenta, somos alimentados pela energia produzida pelo próprio planeta.
_Chegamos, vamos descer.
A casa do Sr. Liu estava no centro de uma ilha; à volta as águas cintilavam como cristal. A ilha era um imenso jardim florido e no centro estava a casa.
_Esta é minha esposa, Li Mi.
Uma linda chinesa, cabelos bem negros e longos, rosto angelical, usava um longo vestido de seda brilhante, azul celeste, que chegava até os pés.
_Entrem amigos, é um prazer recebê-los; falou Li Mi.
A sala da casa dava a impressão de ser o painel de uma espaçonave.
_Aqui é o local onde fazemos contato com seres de todo o universo.
_Quando chegaram viram e entraram numa residência, porem com o toque deste botão, nossa casa se transforma imediatamente numa aeronave. Ela cruza o espaço na mesma velocidade daquela que os trouxe.
_Agora olhem para este círculo.
Um círculo de aproximadamente 1,0 metro, formado por um tubo de aproximadamente 0,5 centímetro de diâmetro, com aparência de cristal azul.
A Sra. Li Mi apertou um botão entre os vário do painel, instantaneamente toda a equipe do CEHPAT apareceu dentro do circulo; nossa imagem chegava até eles nítida e em tempo real.
_Esse aparelho, falou a Sra. Li Mi, foi criado por nosso centro de tecnologia de comunicação, um dia ele estará na Terra.
_Caso o CEHPAT tivesse essa máquina poderiam nos ver e estabelecer comunicação verbal.
_Estas duas máquinas que estão circulando entre nós foram criadas por mim, formam um casal.
_Este com aparência masculina nos ajuda fazendo qualquer tipo de cálculo, montando painéis, máquinas e todo tipo de equipamento, além disso, é o piloto oficial da nova aeronave.
_Sua companheira toca qualquer tipo de instrumento, reproduz todos os tipos de música, assim como qualquer tipo de som: sons da natureza, vento, cachoeira, vozes de animais, sons de máquinas, turbinas e tudo que imaginar.
_Vou pedir que ela reproduza uma música.
_Por favor companheira, reproduza Balada para uma Estrela chamada Jesus.
Juno se emocionou ao ver sua música reproduzida com perfeição.
_Agora Sr. capitão Juno, peço que toque sua música.
_Nossa companheira já está programada para sua música.
A Sra. Li Mi acionou outro botão no painel e um teclado surgiu do ventre do robô.
O capitão Juno tocou e comentou:
_Fantástico, nunca ouvi som igual, perfeito.
_Pois é pessoal, falou o mentor, gostaria de levar vocês até minha casa, mas o tempo acabou, temos que ir.
_Sua casa fica neste planeta ?
_Sim Lara, em outra oportunidade conhecerão.
_Então vamos nos despedir do casal, falou Juno.
_Não não capitão, nos despediremos na Terra; falou o Sr. Liu. Agora peço que todos se sentem, iremos levá-los.
Todos sentaram, inclusive o casal anfitrião.
_Companheiro, por favor, nos leve para a Terra; Sr. Liu fez o pedido para o robô.
A casa se transformou numa nave através do toque de um botão. Em fração de segundos ela decolou e já estavam na Terra.
Despediram-se; Dirigindo-se ao Sr. Liu Juno falou:
_Foi um prazer imenso estar com vocês, conhecer sua vida, seu trabalho, seu lar, seu planeta, sua esposa, mas antes de ir embora quero lhe fazer um pedido.
_Sim, faça Juno.
_Agradeço a proteção e companhia que sempre tive deste que hoje é meu mentor e anjo da guarda; porem sei que um dia poderei reencarnar, e caso meu mentor não possa ser novamente o meu anjo da guarda, então gostaria de lhe pedir que seja o Sr.
_Será uma grande honra para mim, respondeu o Sr. Liu, porém a escolha cabe a Deus; se o seu mentor não puder estar com você e se Deus permitir, estaremos juntos em nova missão.


























OS  ÚLTIMOS  DIAS


Dois meses passaram, gravamos depoimentos do capitão Juno, organizamos todos os filmes, agora a missão estava em minhas mãos. Teria que divulgar tudo que vimos e aprendemos.
Uma vez por semana Juno ia até o CEHPAT para entrar em transe, sair do corpo e ver sua família.
Num daqueles momentos o Sr. Furukawa falou para o capitão Juno:
_Está pronto capitão, sua nave está pronta para decolar. Agora só falta o Sr. pedir baixa para os médicos e voltar a trabalhar.
_Acredito que voltando no tempo o Sr. traga dona Lara e sua filha de volta.
_Sim Sr. Furukawa, é o que mais quero, não tenho mais motivação para estar vivo, para trabalhar, preciso resgatá-las. Vou marcar o dia para voltar ao médico e resolver tudo.
Juno ainda vivia a base de calmantes, sem o quais não conseguia dormir.
Era visível sua falta de interesse por tudo, o único dia que o víamos mais animado era quando ele sairia do corpo para ver a esposa e a filha.
Seu olhar estava sempre distante, olhando para o céu, olhando para o nada; pouco falava, nossos assuntos não lhe causavam interesse a não ser quando falávamos da espiritualidade.
O capitão estava na fronteira entre o Céu e a Terra.
A ideia de trazer sua família de volta era obsessiva.
Seus pais diziam que todas as noites, durante o sono, ele falava muito com Lara e Larissa.
Juno marcou consulta com o médico para dez dias.
A equipe do INPE foi até a casa dele, o gerente geral estava ansioso para que o capitão Juno retomasse seu posto de liderança na equipe.
Eu e a equipe do CEHPAT fomos chamados por eles que fariam um churrasco na casa do Juno. Passamos juntos o domingo.
Os pais do capitão, sempre muito amáveis e hospitaleiros ficaram contentes com nossa presença. Eles sofriam juntos com o capitão ao vê-lo sempre desconsolado, deprimido.
Foi um domingo especial, o capitão tocou a música dedicada a Lara e se emocionou; alguns choraram junto com ele.
Não podíamos jamais imaginar que aquele seria o último domingo junto ao nosso grande capitão Juno. O homem que através de sua determinação e história muito nos ensinou.
Na segunda feira a tarde veio a notícia que ninguém queria: nosso capitão estava morto.
Uma parada cardíaca fulminante levou o nosso grande amigo.
Ficamos sem o chão, a história do capitão Juno Besik e Lara Misha havia terminado.
À noite, após visitar o corpo do capitão, toda a equipe se reuniu na sede; me propus sair do corpo, ser ligado à máquina e rever o capitão.
A ideia era que através de mim todos pudessem revê-lo, conversar, buscar informação que acalentasse nosso coração.
Logo ao sair do corpo me deparei com um ser alto, barba aparada, cabelos pretos; sua face resplandecia.
_Seja bem vindo ao mundo espiritual, disse-me aquele ser.
Respondi agradecendo e perguntei quem era ele.
_Sou seu mentor espiritual, seu anjo da guarda.
_Gostaria de poder ver o capitão Juno, todos querem se despedir dele.
_No momento não é possível, Juno foi levado para desmaterialização, mas no momento oportuno voltará para um último adeus.
_Volte para o corpo, tranquilize-se, saberão a hora de vê-lo.
O Sr. Furukawa como os demais estava muito abalado, dizia que ele mesmo entraria na máquina para alterar a história.
A madrugada e o dia seguinte ficamos reunidos junto ao corpo do capitão, até o momento do sepultamento.
Saindo do cemitério fomos para o CEHPAT, toda a equipe.
Sentados em circulo, ouvindo o Sr. Furukawa que prometia entrar na máquina no dia seguinte para eliminar Emília, ouvimos ao longe a música do nosso capitão.
Nos olhamos com espanto, o volume da música aumentava aos poucos; de repente a tela do decodificador começou a piscar como se estivesse tentando sintonizar algo.
O decodificador ligou automaticamente iniciando a gravação.
Em aproximadamente 10 segundos a tela abriu, a imagem aos poucos foi se projetando.
Era o nosso capitão junto com Lara e Larissa.
Acima deles pairava a nave do nosso capitão.
Juno levantou a mão acenando em despedida e falou:
_Com a permissão de Deus voltei para me despedir.
_Quero que saibam: todos foram muito importantes em minha vida, vocês construíram minha história, se tornaram pessoas especiais.
_Agradeço a boa vontade do Sr. Furukawa em todos os sentidos, inclusive ao querer mudar o final de minha história, mas quero dizer que isso não é possível. Minha missão chegou ao fim, não há mais nada a fazer.
_Não era preciso Emília se tornar assassina e nem ser assassinada, ela morreria de over dose, Lara e Larissa morreriam no parto. Por isso digo: não há o que fazer.
_Estou indo para a casa de Deus e tenho certeza que no futuro estaremos todos reunidos pelo amor de Cristo.
_Deem uma cópia dessa gravação para meus pais.
_Pai, mãe; não quero que se entristeçam, vocês sofriam com meu sofrimento, lamento muito, mas quero que saibam que agora estou bem.
_No momento que desencarnei tive amparo imediato, uma equipe veio me buscar, Lara e Larissa estavam entre eles. Não sofram mais, sempre estarei com vocês retribuindo o amor e dedicação que sempre recebi.
_Que todos fiquem na paz de Jesus.
_Adeus.
Brevemente Lara agradeceu à todos pelos cuidados que tiveram com seu amado, com o carinho que todos dedicaram a ela.
Então Lara e o capitão Juno levantaram os braços acenando e subindo; entraram na MDT-FP001 que rapidamente desapareceu no céu da cidade de Jacareí.
A tela fechou e o decodificador automaticamente desligou.
Essa é a história de um sonhador que buscava a felicidade, que queria um mundo melhor para todos, que amou sua esposa acima de tudo, acima da vida e da morte.
A mim restou a dor da saudade ao escrever a história.

Dedico este livro ao amigo e futuro neto: Juno.

Um Amor do Passado




FIM


Ilusória Hegemonia


E o homem ouviu brada voz:
_ Ganhará o pão com o suor do seu rosto.
Porem o homem entendeu:
_ Ganhará o pão com rancor proliferando desgosto.

E o grande trabalhador terá boa casa, mas dela não desfrutará.
Amará os filhos, mas não terá tempo para eles.
Terá bom carro e nenhum tempo para viajar.
Sua carteira recheada de dinheiro valerá mais que sua própria índole.
A moeda terá mais valor que sua própria vida.
Seu poder comprará o silencio.
Seu sonho o cegará.
Sua ambição o arruinará.
Seu ódio o sentenciará.
Sua ilusão será maior que sua realidade.
Seu perdão terá preço.
Seu preço será do tamanho de sua ilusão.
Falará várias línguas, porem poucos o entenderão.
Sentir-se-á solitário em meio à multidão.
Perfumará o corpo enquanto a alma fede.
Terá muitas perguntas e poucas respostas.
Lutará por felicidade, mas nunca irá reconhecê-la quando dela desfrutar.
Sentirá falta da paz, mas lutará pela glória.
Ao receber amor, insatisfeito blasfemara.
Sua mente doentia dará valor à ganância e ao egoísmo.
Embora espírito, o homem viverá pensando ser corpo.

E brada voz afirmará:

_ Feliz será aquele que com alma de criança, permanecer surdo e cego.





Minha igreja é Deus, minha religião a Fé.




                   Benedito Oswaldo Vettoretti





                                      

3 comentários:

Reginia maria da silva disse...

Amigo vou ver esses livros , obrigada pela indicação

Vettoretti Oswaldo disse...

Olá Reginia, é um prazer tê-la por aqui.
Espero que a leitura a satisfaça, proporcione momentos de descontração.
Abraços, Oswaldo.

Cravo disse...

Terminei de ler o livro, muito bom, muito bonito!!
A musica então da balada foi ele te que passou?

Saudades desse plano, sinto que já passei por la...